Obama avalia decretar prisão indeterminada para detidos de Guantánamo

Washington, 27 jun (EFE).- O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, avalia emitir um decreto que autorizará a detenção por tempo indeterminado de alguns dos presos da base militar de Guantánamo, em vez de julgá-los ou libertá-los, diz a imprensa americana.

EFE |

Obama já mencionou publicamente a possibilidade de manter a alguns presos em detenção "prolongada" sem julgamento porque representariam um perigo potencial para os EUA, mas sob "supervisão judicial e legislativa".

Aparentemente, a Casa Branca teme uma difícil batalha no Congresso americano para a aprovação de um novo marco legal que permita esse tipo de encarceramento. Por isso, estuda simplesmente emitir um decreto e não ter de passar pelo Legislativo.

Várias fontes governamentais anônimas revelaram hoje essa possibilidade a veículos de imprensa americanos, o que parece indicar que, agora, o Governo quer saber qual a reação pública sobre essa opção.

A ordem executiva apelaria ao poder de Obama como presidente para manter detidas pessoas capturadas em um campo de batalha durante um conflito armado, neste caso, a guerra contra o terrorismo.

Esse é exatamente o argumento usado por seu antecessor, George W.

Bush, para criar Guantánamo.

As organizações de direitos humanos rejeitam essa opção ao argumentar que tal atitude perpetua a política de detenção de Bush.

O decreto afetaria pessoas que estão atualmente em Guantánamo, mas não a futuros detidos, segundo a imprensa americana. EFE cma/bba

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG