Obama assina lei que impõe severas restrições à indústria do cigarro

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, sancionou nesta segunda-feira a lei que dá ao governo poderes sem precedentes para regular os fabricantes de cigarros.

AFP |

A lei concede à agência reguladora de alimentos e medicamentos (FDA) autoridade para regular os níveis de nicotina, proibir a adição de sabores e impor advertências mais duras nos maços de cigarros, para reduzir o consumo entre os jovens.

"Quando me apresentei para a presidência acreditava que, apesar do poder do status quo e da influência de interesses especiais, era possível trazer mudança para Washington", disse Obama antes de firmar a lei, que enfrentou forte resistência da indústria do fumo.

"E hoje, apesar de décadas de pressões e de publicidade por parte da indústria do cigarro, aprovamos uma lei para ajudar a proteger a próxima geração de americanos para não crescer com um hábito mortal que nossa geração viveu".

O FDA deve adotar uma regra proibindo publicidade ao ar livre na região de escolas e ginásios esportivos e impedir o patrocínio de esportes por marcas de cigarro.

As companhias deverão revelar ao FDA os ingredientes de seus produtos. A lei permite à agência exigir mudanças para proteger a saúde pública, mas ainda não é possível exigir a redução do nível de nicotina a zero.

O projeto de lei foi apoiado por várias associações, como a American Cancer Society, a American Heart Association e a American Lung Association.

col/LR/sd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG