Obama anunciará envio de 4 mil soldados ao Afeganistão

Washinton - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, apresentará nesta sexta-feira a nova estratégia do governo para o Afeganistão, que inclui o envio de mais 4 mil soldados ao país.

EFE |

O presidente da Comissão das Forças Armadas do Senado, Carl Levin, disse hoje aos jornalistas que esse contingente pode partir em junho para o Afeganistão, onde terá como missão treinar as tropas afegãs.

O porta-voz da Casa Branca, Robert Gibbs, confirmou que o líder está em contato com legisladores americanos para informar sobre o conteúdo da revisão e que a anunciará de maneira oficial nesta sexta-feira.

Obama "está ligando e informando membros do Congresso sobre as conclusões dessa revisão, que o presidente anunciará amanhã na Casa Branca", disse Gibbs.

Embora o porta-voz não tenha precisado o conteúdo do relatório, o senador Levin deu alguns detalhes. "Haverá um grupo significativo com missões de treinamento que sairá, acredito, em junho", contou.

Perguntado se esse grupo chegaria a quatro mil homens, como tinha antecipado a imprensa local, respondeu: "Não vou contradizer essa afirmação".

Levin falou depois que o enviado do governo Obama para Afeganistão e Paquistão, Richard Holbrooke, foi hoje ao Congresso para informar os legisladores sobre o conteúdo do documento.

O novo contingente se juntaria aos 17 mil soldados adicionais já anunciados por Obama em fevereiro passado e que chegarão ao longo dos próximos meses ao Afeganistão para reforçar os cerca de 36 mil americanos que já estão no país.

Segundo o jornal americano "The Wall Street Journal", o Pentágono considera também a possibilidade de criar um comando central no sul do Afeganistão, que seria responsável pelas tropas americanas na região.

O "Wall Street Journal" diz que as medidas seriam parte de um esforço para impedir que o conflito desestabilize tanto o Afeganistão, como o Paquistão.

Segundo fonte militares, os talebans controlam muitos setores rurais do Afeganistão e, no Paquistão, enfrentaram o Exército em várias regiões.

"Existe o consenso que a situação não é nem remotamente sustentável em nenhum dos dois países", disse uma fonte oficial citada pelo diário.

Além das tropas adicionais, a revisão estratégica prevê também o envio de centenas de funcionários civis, que se centrariam em fortalecer as instituições de governo afegãs e dar assistência em assuntos agrícolas.

Obama deve levar a revisão estratégica à cúpula do 60º aniversário da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) na próxima semana, a ser realizada em França e Alemanha.

Leia mais sobre: Afeganistão - Obama  

    Leia tudo sobre: afeganistãoobama

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG