WASHINGTON - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, revelou nesta quinta-feira um novo enfoque para o sistema de defesa antimísseis na Europa e advertiu que o programa balístico do Irã continua sendo uma ameaça.

Em um breve anúncio na Casa Branca, Obama explicou que o plano será revisado e as bases que deveriam ser construídas no leste europeu - Polônia e República Checa - serão remanejadas para navios e outras localidades em terra.

"Para dizer mais simplesmente, nossa nova arquitetura de defesa de míssies na Europa proporcionará uma defesa mais forte, inteligente e rápida para as forças americanas e os aliados dos Estados Unidos", assegurou Obama em uma declaração na Casa Branca.


Obama discursa para jornalistas na Casa Branca / AFP

Nesta quinta-feira, Obama já havia ligado aos presidentes dos países do Leste Europeu para informar que os Estados Unidos recuarão do plano de instalar o escudo na região, o que deve melhorar as relações entre Washington e Moscou.

O escudo antimísseis envolveria a instalação de um sistema de radares na República Checa e de um interceptador de projéteis na Polônia. O antecessor de Obama, George W. Bush, diise que o objetivo era evitar ataques de regimes "párias", como os Irã e Coreia do Norte.

A expectativa era de que o sistema antimísseis dos EUA estivesse em operação até 2012.

A Rússia via o plano de defesa americano como uma ameaça direta, apesar das promessas americanas de que o sistema seria voltado apenas para Estados que considera rebeldes, como o Irã.

O governo Obama busca "reiniciar" suas relações com a Rússia, para que os dois ex-inimigos da Guerra Fria possam cooperar em questões como o fim do programa nuclear do Irã, o combate ao Taleban no Afeganistão e a redução de seus arsenais nucleares.

Leia também:

* Com AFP e informações da BBC Brasil

Leia mais sobre escudo antimísseis

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.