Obama anuncia equipe de Segurança Nacional com Hillary Clinton à frente

O presidente eleito dos Estados Unidos, Barack Obama, designou sua ex-rival na disputa pela indicação da candidatura à presidência pelo Partido Democrata, Hillary Clinton, para liderar a diplomacia de seu futuro governo, ao anunciar sua equipe de segurança nacional.

AFP |

Hillary, de 61 anos, será a secretária de Estado do novo governo, que assume no dia 20 de janeiro.

"Os americanos não pediram apenas que uma nova liderança assumisse seu país, mas também que o lugar dos Estados Unidos no mundo fosse renovado", destacou Hillary pouco depois do anúncio oficial de sua nomeação.

A missão de Hillary Clinton não parece nada fácil: além de executar a retirada das tropas americanas do Iraque e combater o ressurgimento da violência dos talibãs no Afeganistão, ela precisará mudar a imagem dos Estados Unidos perante o mundo após os oito anos de governo de George W. Bush.

"Impulsionaremos uma nova estratégia que utilize, equilibre e integre com habilidade todos os elementos do poder americano: nossa diplomacia e nosso Exército, nossos serviços de inteligência e nossas forças de segurança, nossa economia e o o poder de nosso exemplo moral", disse Obama, durante entrevista à imprensa em Chicago.

"Hillary Clinton tem uma inteligência extraordinária, acompanhada de uma ética notável. Estou orgulhoso de que ela seja nossa próxima secretária de Estado", elogiou o presidente eleito.

"É uma americana de tremenda força que terá toda a minha confiança, que conhece muitos líderes mundiais, que será respeitada em todas as capitais e que, sem dúvida, terá a capacidade de fazer avançar nossos interesses no mundo", acrescentou.

Além dela, Obama escolheu a governadora do Arizona, Janet Napolitano, como nova secretária de Segurança, e Eric Holder como secretário de Justiça; o ex-comandante da Otan, James Jones, será seu assessor de Segurança Nacional. O presidente eleito manteve Robert Gates no cargo de secretário da Defesa.

Napolitano, de 51 anos, é especialista em questões de imigração ilegal, fruto de sua experiência na chefia do estado do Arizona, na fronteira com o México, o qual governa há seis anos.

Os defensores dos direitos dos imigrantes esperam que sua experiência e novas tentativas de reforma estimuladas por Obama contribuam para melhorar o debate sobre o assunto no país. No entanto, o atual contexto de crise econômica e financeira pode tornar mais difícil do que nunca conseguir a adesão da opinião pública americana à causa dos imigrantes.

O assunto, embora delicado, é apenas mais um dos desafios que aguardam Napolitano na pasta de Segurança Interior, criada depois dos atentados de 11 de setembro de 2001. Além da segurança das fronteiras e da proteção civil em caso de desastres naturais, ela será responsável pela prevenção de qualquer ataque terrorista em território americano.

Neste sentido, Obama afirmou que se governo assume "o compromisso total de eliminar a ameaça do terrorismo".

"Não podemos tolerar um mundo onde pessoas inocentes são assassinadas por extremistas", declarou, num momento em que o mundo ainda lamenta o trágico desfecho dos atentados terroristas em Mumbai, que deixaram mais de 170 mortos.

James Jones, 64, será o novo assessor de Segurança Nacional graças à experiência como comandante das forças da Otan na Europa, além de ter sido emissário especial para a segurança no Oriente Médio, cargo que exerceu a pedido da atual secretária de Estado, Condoleezza Rice.

Robert Gates, por sua vez, será o único nome que não precisará ser confirmado pelo Senado, uma vez que está apenas sendo confirmado no posto.

O ex-diretor da CIA, de 65 anos, substituiu no final de 2006 o polêmico Donald Rumsfeld com a missão de elaborar a estratégia de enviar um reforço de 30.000 soldados ao Iraque no começo de 2007, decidida pelo presidente George W. Bush.

É a primeira vez que um secretário da Defesa é mantido no cargo na transição entre duas administrações de partidos diferentes.

Em relação ao Iraque, Gates terá a árdua missão de "encerrar a guerra de maneira responsável", indicou Obama, reiterando seu projeto de retirada de todos os soldados americanos que estão no Iraque dentro de 16 meses. Gates deve transferir "com êxito o controle aos iraquianos", disse o presidente eleito.

Holder, futuro ministro da Justiça, de 57 anos, será o primeiro negro a ocupar essa função. Estudou na Universidade de Columbia e adquiriu sólida reputação na luta contra a corrupção, como procurador. Substituirá Michael Mukasey, de 67 anos.

"A equipe que formamos conta com uma capacidade única (...). Todos compartilham de meu pragmatismo sobre o uso do poder, e meu sentido de propósito do papel dos Estados Unidos como líder no mundo", concluiu Obama.

bur/sd/ap

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG