Obama alerta que meios tradicionais de conter crise começam a escassear

Macarena Vidal. Washington, 16 dez (EFE).- O presidente eleito dos Estados Unidos, Barack Obama, advertiu hoje que começa a faltar a munição tradicional para usar contra a crise econômica que o país enfrenta.

EFE |

Obama fez essa declaração em coletiva de imprensa em Chicago para apresentar Arne Duncan como secretário de Educação e no momento em que se espera que o Federal Reserve (Fed, banco central americano) corte a um nível histórico a taxa básica de juros.

Segundo o presidente eleito, quando o Fed começa a ficar sem armas para lutar contra a crise é "imprescindível" que outras instituições do Governo dêem um passo adiante.

Por isso, assegurou que é tão importante aprovar o plano de recuperação econômica que planeja apresentar quando chegar à Casa Branca, em 20 de janeiro escassear.

Obama deve se reunir hoje com sua equipe econômica, liderada pelo futuro secretário do Tesouro,Tim Geithner, para analisar a situação.

Segundo Obama, o plano de recuperação econômica que propõe tem como bases a criação ou o suporte de 2,5 milhões de empregos, assim como a colaboração com os estados para o investimento em infra-estrutura e energia alternativa.

O presidente eleito expressou sua confiança de que poderá tirar o país da recessão, embora tenha admitido que os tempos "são os mais duros desde a Grande Depressão".

Obama discursou depois de divulgado que o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) dos EUA registrou em novembro, empurrado pelo barateamento da energia, uma queda de 1,7%, a maior desde 1947, o que colocou a taxa anualizada em 1,1%.

Os dados, publicados pelo Departamento de Trabalho, abrem caminho para o Fed cortar hoje a taxa básica de juros em meio ponto e a deixar, segundo todas as previsões, em 0,5%, um nível recorde.

A coletiva de hoje em Chicago, a nona de Obama desde sua vitória nas eleições presidenciais de 4 de novembro, tinha como objetivo apresentar sua aposta para o Departamento de Educação, Arne Duncan, até agora responsável pelo sistema escolar em Chicago.

O fracasso na melhora do sistema educacional é "inaceitável moralmente para nossos filhos", disse o presidente eleito.

"Quando se trata de reformar o sistema escolar, Arne é o protagonista mais intrometido no assunto que há", assegurou Obama, que discursou em um colégio.

Por sua parte, o futuro comandante do sistema educacional americano ressaltou que "não há questão mais prioritária que a educação".

Como os demais integrantes do gabinete de Obama, a nomeação de Duncan estará condicionada à confirmação por parte do Senado.

Hoje, o presidente eleito aludiu também ao escândalo em torno do governador de Illinois, Rod Blagojevich, acusado de querer lucrar com a nomeação de seu sucessor no Senado.

Obama, que tornará pública na próxima semana uma investigação interna de sua equipe que assegura que não houve conversas indevidas entre seu pessoal e Blagojevich, reiterou que o governador não pode continuar exercendo suas funções após o escândalo.

No entanto, indicou que deve de ser a Legislatura estatal a decidir o que fazer com o governador, que se nega a renunciar.

Obama desenvolve uma intensa semana de trabalho antes de sair de férias na próxima semana para o Havaí, seu estado natal, onde passará o Natal junto a sua família antes de tomar posse como presidente.

Obama deve anunciar nos próximos dias seu secretário de Interior, que, segundo a imprensa local, pode ser o hispânico Ken Salazar. EFE mv/rr

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG