O presidente Luiz Inácio Lula da Silva revelou neste sábado que seu colega americano, Barack Obama, lhe agradeceu pela intervenção no caso do menino Sean Goldman, que vive no Brasil e cujo pai americano luta por sua custódia. http://ultimosegundo.ig.com.br/economia/2009/03/14/obama+diz+a+lula+que+barreira+a+etanol+nao+caira+logo+4787954.htmlObama diz a Lula que barreira a etanol não cairá logo http://ultimosegundo.ig.com.br/bbc/2009/03/14/para+lula+e+obama+crise+dificultou+avancos+comerciais+4790908.htmlPara Lula e Obama, crise dificultou avanços comerciais


Presidentes Lula e Obama na Casa Branca, onde concederam entrevista/AP

"Este caso está na Justiça federal. Por intermédio do ministério das Relações Exteriores e da secretaria dos Direitos Humanos, conseguimos tirá-lo da Justiça do estado de São Paulo", disse Lula após ser recebido por Obama na Casa Branca.

"Esperamos que a Justiça faça o que tem que fazer" e o governo vai respeitar sua decisão, disse Lula, ao destacar que o judiciário no Brasil tem total autonomia.

Sean Goldman foi trazido para o Brasil pela mãe, Bruna Carneiro Ribeiro, em 2004, quando a mulher decidiu não retornar mais aos Estados Unidos, segundo David Goldman, pai do menino.

David se casou com a brasileira Bruna Carneiro Ribeiro em 1999. Um ano depois, o casal teve Sean.

A família vivia em Nova Jersey, até que, em junho de 2004, Bruna e Sean viajaram para o Rio de Janeiro.

No Brasil, Bruna conseguiu uma decisão judicial autorizando seu divórcio de Goldman, casando-se novamente. Em agosto do ano passado, quando ela morreu ao dar à luz seu segundo filho, a Justiça brasileira deu a guarda de Sean a seu padrasto, o segundo marido de Bruna.

A Justiça americana, porém, decidiu que David deveria ter a total custódia de Sean, desde agosto de 2004.

A secretária de Estado americana, Hillary Clinton, que discutiu o caso quando se encontrou, há duas semanas, com o chanceler Celso Amorim, em Washington, já assinalou que seu país deseja ver este caso resolvido o mais rápido possível.

Leia também:

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.