Em bate-papo na internet, Obama defende uso de aviões não tripulados

Durante sessão de perguntas e respostas no Google Plus, presidente faz primeira declaração direta sobre programa antiterror da CIA

iG São Paulo |

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, defendeu nesta segunda-feira o uso de aviões não tripulados para combater o terrorismo. Foi a primeira vez que o líder falou diretamente sobre as aeronaves, respondendo a uma questão enviada por um internauta durante um bate-papo transmitido ao vivo pela rede social Google Plus e pelo YouTube.

Leia também: Empresa do Irã enviará aviões não tripulados de brinquedo para Obama

Divulgação / Casa Branca
Na Casa Branca, Obama participa de bate-papo com internautas pratrocinado pelo Google Plus (30/01)

Poucos detalhes são conhecidos sobre as operações da CIA (agência de inteligência americana) com aviões não-tripulados, cujos alvos são principalmente militantes da Al-Qaeda e do Taleban na região de fronteira entre Paquistão e Afeganistão. O governo paquistanês condena o uso das aeronaves, dizendo que muitos ataques causam mortes de civis .

No evento do Google Plus, um internauta perguntou a Obama sobre uma reportagem do jornal The New York Times sobre o uso de aviões não tripulados pelo Departamento de Estado dos EUA para proteger instalações diplomáticas no Iraque. Obama confirmou o uso das aeronaves para propósitos de vigilância, mas disse que o texto era um pouco “exagerado”.

“Somos muito cuidados em relação a como os aviões são usados. É importante que todos saibam que mantemos uma rédea curta", afirmou Obama, que até então tinha falado sobre a questão apenas indiretamente.

O presidente acrescentou que o número de vítimas civis causadas pelas aeronaves é “muito pequeno” e disse que o programa da CIA é fundamental no combate ao terrorismo.

Em reação ao comentário de Obama, nesta terça-feira o governo paquistanês classificou de “inaceitáveis” os ataques com aviões não-tripulados americanos em seu território. “São ilegais, polêmicos e, portando, inaceitáveis”, afirmou o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Abdul Basit. “Não podemos consentir a violação de nossa soberania.”

Currículo

Mais de 130 mil perguntas foram enviadas ao presidente e seis pessoas foram convidadas a participar do evento ao vivo, fazendo suas questões via videoconferência. O bate-papo durou 50 minutos, durante os quais Obama falou sobre a economia e respondeu perguntas pessoais sobre como pretende comemora seu aniversário de casamento.

Dando início a um dos momentos mais inusitados da conversa, a participante Jennifer Weddel lamentou que seu marido, um engenheiro especialista em semicondutores, esteja desempregado há três anos enquanto estrangeiros recebem vistos para trabalhar no setor.

Obama se mostrou surpreso, dizendo que há uma enorme demanda por especialistas em semicondutores, e pediu que Jennifer enviasse a ele o currículo do marido. “Falo sério. Se me enviar o currículo, tentarei descobrir exatamente o que está acontecendo", afirmou.

Saiba mais: Tudo sobre as eleições nos EUA

Ao longo de seu mandato, o presidente americano usou as redes sociais e as novas tecnologias para tentar chegar a um maior número de cidadãos de maneira mais direta e informal. A iniciativa ganha importância no momento em que o líder faz campanha para ser reeleito nas eleições de novembro.

Obama já participou de bate-papos similares em sites como Facebook e Twitter , mas este foi seu primeiro evento no Google Plus, lançado em meados de 2011. Os pré-candidatos republicanos à presidência Mitt Romney e Newt Gringrich também participaram de eventos virtuais do Google no ano passado.

Assista ao bate-papo de Obama com internautas via Google Plus:

Com AP, AFP e informações do New York Times

    Leia tudo sobre: eleição nos euaobamaeuapaquistãoavião não tripuladoterrorismo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG