Obama adia decisão sobre tropas por preocupação com voto afegão

WASHINGTON (Reuters) - A Casa Branca adiou a decisão sobre o aumento de tropas no Afeganistão enquanto pondera se sua estratégia de guerra ainda pode funcionar depois de uma eleição com suspeitas de fraude que lançou dúvidas sobre a legitimidade do governo de Cabul, disseram autoridades nesta terça-feira. A princípio o Pentágono esperava que o principal comandante dos EUA e da Otan no Afeganistão, o general Stanley McChrystal, requisitasse mais soldados para breve após entregar seu relatório confidencial sobre a guerra.

Reuters |

Mas autoridades disseram que fatores externos, sobretudo relatos de fraude durante a eleição afegã no mês passado e dúvidas sobre a legitimidade do governo do presidente afegão Hamid Karzai, fizeram o calendário desandar.

Autoridades administrativas disseram que a análise de um aumento de tropas vai esperar até o presidente Barack Obama e seus principais conselheiros completarem uma revisão de sua estratégia de contrainsurgência, lançada em março.

Mesmo o melhor plano de contrainsurgência "não vai funcionar" sem um governo legítimo no poder, disse um funcionário da Casa Branca.

A impressão de que Karzai ignorou as amplas alegações de fraude eleitoral, apressou o processo e declarou a vitória piorou as relações já ruins com o governo Obama, disseram as autoridades.

Um funcionário da Defesa dos EUA disse que a repercussão da eleição "com certeza foi um complicador" na maneira como a recomendação de McCrhystal de aumentar as tropas foi rapidamente recebida.

A pergunta sendo feita pelos responsáveis pelas políticas no Pentágono e na Casa Branca é se a estratégia de contrainsurgência dos EUA ainda pode ser bem sucedida se o governo de Karzai não for visto pela população afegã como legítimo.

Funcionários administrativos, falando sob condição de anonimato, disseram que essa pergunta ainda espera ser devidamente respondida e que a Casa Branca quer que o cenário fique mais claro antes de decidir enviar mais soldados.

(Reportagem de Adam Entous e Caren Bohan)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG