O Sri Lanka venceu os Tigres, mas não ganhou a paz com os tâmeis

O Sri Lanka venceu os rebeldes separatistas tâmeis, mas está longe de ter ganhado a paz com a minoria tâmil em um conflito técnico profundamente arraigado na história do antigo Ceilão.

AFP |

Conforme anunciou neste domingo um porta-voz militar, o exército do Sri Lanka está "acabando" com a guerrilha separatista dos Tigres tâmeis, conquistando "cada centímetro" de seu território no nordeste da ilha.

"Lutamos e recuperamos cada centímetro de território que ocuparam", disse o general Udaya Nanayakkara, acrescentando que estão acabando com os Tigres de Libertação do Eelam Tamil (LTTE), encurralados em menos de 1km2 no nordeste do Sri Lanka.

Os rebeldes anunciaram horas antes que abandonaram o combate, admitindo sua derrota após 37 anos de insurreição separatista.

Após esta ofensiva derradeira iniciada em janeiro, 200.000 tâmeis se amontoam em campos de refugiados, sem esperança a curto prazo de voltar para casa.

"O governo talvez tenha ganhado a guerra, mas ele deve se dedicar agora às suas causas profundas: a discriminação de inúmeros tâmeis", resumiu Anandasangari, presidente do Frente unido tâmil para a libertação.

Pois, para historiadores, o conflito neste país de 20 milhões de almas pode ser explicado em parte pelo ressentimento da maioria cingalesa (74%) com a minoria tâmil (12,5%), suspeita de ter sido favorecida pelo colonizador britânico até a independência de 4 de fevereiro de 1948, principalmente em termos de educação e emprego.

Desde que assumiu o controle total do Ceilão em 1815, a Grã-Bretanha vem realizando uma política que consiste em "dividir para melhor reinar", seguindo divisões étnicas e não religiosas.

Os cingaleses são em sua maioria budistas, com uma minoria de cristãos (5%), enquanto os tâmeis são hindus e contam também com cristãos (3%). Há também 7% de muçulmanos e 5,5% de tâmeis de origem indiana.

Assim que os britânicos foram embora, a sede de poder cingalês de retomar os empregos ocupados pelos tâmeis alimenta as tensões entre as comunidades.

Em 1972, um tâmil radical, Velupillaï Prabhakaran, fundou a organização separatista dos Tigres tâmeis, com base no nacionalista tâmil e o ressentimento de um minoria que se sente por sua vez vítima de discriminações por um regime nacionalista cingalês.

A guerra em grande escala que termina hoje começou em 1983 após a morte de centenas de tâmeis em rebeliões.

Hoje, a classe política tâmil moderada espera que seus pedidos por mais autonomia política não sejam enterradas pelo presidente Mahinda Rajapakse.

"Muitos tâmeis temem que estas reivindicações não sejam satisfeitas, mas acredito que uma solução política aceitável será encontrada", confiou recentemente à AFP Dharmalingam Sithadthan, chefe do Frente democrático de liberação do povo.

Leia mais sobre: Sri Lanka

    Leia tudo sobre: sri lanka

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG