spam , a peste da internet, completa 30 anos - Mundo - iG" /

O spam , a peste da internet, completa 30 anos

O fenômeno que mudou para sempre a cara da internet e do conteúdo dos correios eletrônicos completa 30 anos neste sábado: o spam, ou em outras palavras, o lixo eletrônico.

AFP |

O primeiro "spam" enviado em 3 de maio de 1978 por um responsável de marketing da sociedade informática DEC, hoje extinta, a umas 400 pessoas na costa leste dos Estados Unidos, foi enviado por acidente, e, então, não era nem chamado de "spam".

Mas desde essa época as coisas mudaram bastante.

O nome "spam", que significa lixo eletrônico, provém de uma cena de Monthy Python em que o grupo estava em um restaurante comendo carne enlatada Spam e repetia a palavra consecutivamente, explica Brad Templeton, autor de várias pesquisas sobre o assunto.

"Daí veio o termo, algo que se repete de maneira excessiva e enervante", explicou Templeton, que descobriu a internet por casualidade nos anos 70, quando a rede ainda se chamava Arpanet e era administrada pelo governo americano.

Atualmente o "spam" é resultado de operações mais complexas que afetam a vida de milhões de pessoas e enchem as caixas de e-mail dos internautas.

A porcentagem de lixo eletrônico que chega às caixas de entrada, por exemplo, do Gmail (serviço de e-mail eletrônico do Google) quadruplicou entre 2004 e 2008, representando, respectivamente 20% e 80%. Segundo Jason Freidenfelds do Gmail, 1% do "spam" que chegam consegue passar pelo sistema de filtros instalados.

Se o autor do primeiro "spam" enviou o e-mail teclando manualmente cada um dos destinatários, hoje em dia os correios "spam" são enviados através de "cybermonstros", ou como são mais conhecidos "botnets", que são nada menos que redes de computação ocultas que trabalham na sombra dos usuários.

Os "botnets" invadiram 30% dos computadores pessoais e de empresas sem proteção, e difundem milhões de "spam" por dia, explicou Templeton.

Tanto o conteúdo do "spam" como os motivos de envio mudaram muito ao longo dos anos.

Hoje, alguns "spam" estão disfarçados, e-mails que parecem ser inocentes, mas que na realidade são uma armadilha de hackers para obter número de contas bancárias e dinheiro.

No ano passado os "spamers" conseguiram colocar fora de serviço sites de Internet do governo e de empresas na Estônia, por exemplo, bombardeando os servidores com milhões de correios eletrônicos, uma técnica utilizada por uma nova categoria de "spamers" dedicados a extorsão.

"É frequente receber a frase "você tem um pequeno problema, seria uma pena se algo acontecesse..." e se não pagar para obter proteção o servidor será bombardeado a tarde toda até que o sistema colapse e deixe de funcionar", explicou Templeton.

A forma de "spam" mais conhecida, no entanto, são as mensagens não desejadas que vendem, por exemplo, relógios Rolex falsos, pílulas mágicas para emagrecer e até mesmo remédios inimagináveis para melhorar a vida sexual.

Quase 12% dos usuários da internet já caíram no golpe de algum "spam", afirmou Graham Cluley, consultor em tecnologia da empresa de segurança Sophos.

Um caso trágico foi o "do modelo brasileiro que morreu depois de tomar pílulas emagrecedoras que comprou após receber um "spam". Fica claro que, pessoas que enviam "spam" não têm ética alguma", acusou.

No ano passado, 75% dos americanos foram vítimas de fraudes na Internet, a maioria por meio de "spam", que arrecadou aproximadamente 239 milhões de dólares com os golpes.

kdz/cl/sd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG