O imã chegou há 30 anos para completar a revolução iraniana

O imã chegou, anunciavam os jornais iranianos no dia 1º de fevereiro de 1979, para saudar o retorno do exílio de Ruhollah Khomeini para completar a revolução e instaurar a República Islâmica.

AFP |

A imagem do homem de 76 anos, ajudado por uma aeromoça a descer da escada do 747 da Air France rodou o mundo.

Khomeini voltou convidado pelos líderes da revolução desencadeada contra o Xá Reza Pahlev que prosseguia, e rapidamente afastou os elementos mais moderados, criando uma república islâmica onde se tornou o líder supremo.

A vitória da revolução aconteceu no dia 10 de fevereiro de 1979.

Para marcar a chegada do imã, todos os sinos das escolas, trens e até os sinos de bordo dos navios soam às 09H43 precisas.

Vindo de uma família de religiosos, Ruhollah Khomeini passou a infância na província montanhosa de Markhazi (centro).

Estudioso, ganhou notoriedade a partir de 1944, elevando-se contra "a imoralidade" e a influência ocidental na monarquia.

Desenvolveu progressivamente o conceito de um governo realizado por religiosos capazes de interpretar a jurisprudência islâmica.

Sua doutrina do Velayat-e Faghi (guia do jurista) foi condensada em 1970 no seu livro "Governo Islâmico".

Ela é o fundamento da República Islâmica, proclamada a 1º de abril de 1979, da qual tornou-se o primeiro guia supremo. O aiatolá Ali Khamenei sucedeu-lhe após sua morte no dia 3 de junho de 1989.

A Revolução Iraniana, ocorrida em 1979, transformou o Irã - até então comandado pelo Xá Mohammad Reza Pahlevi - de uma monarquia autocrática pró-Ocidente, em república populista teocrática islâmica sob o comando do aiatolá Ruhollah Khomeini.

O título aiatolá é considerado sob as leis do Islã xiita o mais alto dignatário na hierarquia religiosa.

Existe porém a diferença entre xeque, aquele que estudou a sharia em uma universidade islâmica, e o aiatolá. Este último é um título dado apenas àqueles que têm merecimento, quer seja por aclamação ou nomeação de outro aiotalá ou indicação de um xeque.

"Aiât" quer dizer Sinal/Versículo e "Allah" Deus, ou seja, o aiatolá é o expoente do conhecimento dentro do Islã xiita.

pcl/ev/sd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG