O governista Eduardo Frei reconhece derrota nas eleições do Chile

O candidato governista no segundo turno das eleições e ex-presidente do Chile, Eduardo Frei, reconheceu, neste domingo, a derrota para o adversário político, o empresário Sebastián Piñera. Quero felicitar Sebastián Piñera.

BBC Brasil |

A maioria do país votou nele",disse Frei.

Com mais de 60% das urnas apuradas (4,1 milhões de votos), Piñera recebeu 2,1 milhões, o que representa a maioria de 51,87% da votação, comparados com os 48,12% conquistados até agora pelo candidato do governo e ex-presidente Eduardo Frei, com 2,1 milhões de votos.

Frei disse ainda que o Chile é "muito melhor" hoje do que o país que a frente de centro-esquerda, Concertación, recebeu em 1990, logo após o regime de Augusto Pinochet.

Ele afirmou que continuará "lutando pela igualdade social" como senador.

Caso seja confirmada, esta está será a primeira derrota da Concertación em vinte anos e também após quatro governos consecutivos da presidente Michelle Bachelet.

A presidente conta com 80% de apoio popular, mas parece não ter conseguido transferir essa aprovação para a votação de seu candidato nas eleições.

Mudanças
A eventual vitória de Piñera, da Coalición por el Cambio (Frente para a Mudança), marcaria o retorno da direita ao Palácio presidencial La Moneda, pela primeira vez desde 1952, através do voto.

O porta-voz da campanha da oposição, Rodrigo Hinzpeter, agradeceu "a oportunidade" dada pelos eleitores chilenos e destacou que o "governo Piñera" espera contar com apoio dos seguidores do candidato derrotado "num governo de unidade nacional".

O ministro do Interior do governo da presidente Michelle Bachelet, Perez Yoma, que também é vice-presidente do país, disse que o país deu sinais, nas urnas, de que queria "mudanças".

"As pessoas escolheram a direita", afirmou
O ministro disse que ligou para Piñera para desejar "boa sorte".

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG