O dissidente chinês Hu Jia é o ganhador do Prêmio Sakharov 2008

O dissidente chinês Hu Jia, que se encontra preso, é o ganhador do Prêmio Sakharov 2008 do Parlamento Europeu por sua luta a favor dos direitos humanos, anunciou nesta quinta-feira o grupo dos Verdes da Eurocâmara.

AFP |

O prêmio a Hu Jia foi entregue "em nome dos sem voz da China e do Tibet", conforme anunciou o presidente do Europarlamento, Hans-Gert Pöttering, em sessão plenária em Estrasburgo (leste da França).

"Conceder o Sakharov a Hu Jia reflete o próprio espírito desse prêmio, que apóia a liberdade de pensamento e honra os defensores dos direitos humanos que lutam contra a repressão", afirmaram os co-presidentes do grupo político, Daniel Cohn-Bendit e Mónica Frassoni, em um comunicado.

AFP

Ganhador do prêmio, Hu Jia

Os representantes do governo chinês exerceram muitas pressões sobre os eurodeputados para evitar que o prêmio fosse concedido a Hu Jia, segundo indicaram à AFP várias fontes do Europarlamento.

Hu, de 35 anos, foi condenado em abril passado depois de um processo de um dia de duração a três anos e meio de prisão por tentativa de subversão, através de declarações publicadas na internet e em entrevistas à imprensa estrangeira.

Hu, comprometido com as causas dos direitos humanos, a defesa do meio ambiente e a luta contra a Aids, pediu uma investigação oficial sobre a violenta repressão do movimento pró-democrático da Praça de Tiananmen em junho de 1989, da qual foi testemunha.

Quando seu nome foi mencionado no início de outubro entre os candidatos ao Prêmio Nobel da Paz, o governo comunista chinês afirmouque conceder essa distinção ao dissidente seria uma ingerência em seus assuntos judiciais, pois, a seus olhos, Hu é um "criminoso que foi condenado".

O prêmio a Hu Jia foi concedido às vésperas da cúpula Ásia-Europa (Asem), nesta sexta e sábado em Pequim, que será consagrada a crise financeira. Mas a questão dos direitos humanos não estará ausente, conforme enfatizou o o presidente da Comissão Européa, José Mauel Durão Barroso.

Os outros candidatos ao prêmio eram opositor bielo-russo Alexandre Kozulin e o padre congolês Abbot Apollinaire Malu Malu.

O Prêmio Sakharov, em homenagem ao dissidente da era soviética Andrei Sakharov, é dotado com 50.000 euros e concedido anualmente há 15 anos.

O primeiro premiado foi o sul-africano Nelson Mandela em 1988.

Leia mais sobre: Prêmio Sakharov

    Leia tudo sobre: china

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG