O detento mais jovem de Guantánamo merece estar preso, afirma militar

O mais jovem dos presos em Guantánamo ganhou sua estada no campo de detenção, afirmou nesta quarta-feira, a um jornal canadense, o soldado americano que sofreu uma emboscada num prédio afegão em que Omar Khadr foi detido.

AFP |

"Omar não é um menino que simplesmente foi tirado da rua, indiciado por erro e julgado injustamente", afirmou o sargento reformado Layne Morris ao National Post.

"Acho que ele está justamente onde deve estar", enfatizou.

O governo americano afirma que Khadr, de nacionalidade canadense, único sobrevivente de um bombardeio contra barracões no leste do Afeganistão, saiu dos escombros e matou um sargento com uma granada. Depois recebeu dois disparos nas costas.

Na véspera, os advogados de Khadr divulgaram um vídeo do interrogatório onde ele aparece chorando copiosamente e perdendo a razão diante de agentes de inteligência do Canadá.

Khadr é visto sendo interrogado por agentes do Serviço de Inteligência de Segurança de seu país em fevereiro de 2003 na base naval norte-americana de Guantánamo (Cuba).

Vídeo

O vídeo tem 7,5 horas de um interrogatório de três dias. Khadr tinha 16 anos de idade no momento de sua captura em 2002 no Afeganistão por suspeitas de terrorismo.

Inicialmente, foram apresentados 10 minutos e os advogados de Khadr anunciaram que nesta terça-feira será divulgada uma versão completa do vídeo, seguindo ordens da corte.

Nas imagens, que parecem ter sido captadas em um ducto de ventilação, são feitas perguntas a Khadr sobre o que sabe a respeito da Al-Qaeda e sobre sua fé muçulmana. Às vezes chora e puxa os cabelos de desespero, informou o jornal Globe and Mail em seu site.

Também mostra seus ferimentos aos interrogadores. Um deles responde dizendo que está recebendo um bom tratamento médico e que deve cooperar.

O vídeo de dez minutos não revela se o detento sofreu agressões ou outros abusos físicos na prisão.

A divulgação do vídeo ocorreu depois que documentos do governo mostraram que Khadr foi privado de sono antes de ser interrogado para que admitisse seus crimes mais facilmente, informou a imprensa canadense.

Khadr era levado para uma cela diferente a cada três horas para que ficasse mais suscetível a falar em uma tática que as autoridades norte-americanas descreveram como "programa do viajante freqüente".

A defesa e juristas internacionais insistiram várias vezes para que Omar Khadr fosse tratado como uma criança-soldado.

Organizações de defesa dos direitos humanos, como a Anistia Internacional, pediram em vão para que o primeiro-ministro canadense exigisse dos Estados Unidos a extradição de Khadr, uma rejeição que, segundo a imprensa canadense, agora será mais difícil de ser justificada.

Leia mais sobre: Guantánamo

    Leia tudo sobre: guantánamo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG