O apocalipse nuclear ainda ameaça o mundo

Há 63 anos, o mundo descobria o apocalipse nuclear em Hiroshima e em Nagasaki, primeiros e únicos alvos da bomba atômica, mas a ameaça ainda não desapareceu.

AFP |

Capital mundial do pacifismo, a cidade de Hiroshima (sul do Japão) lembra nesta terça-feira o dia em que o planeta entrou na era nuclear. Três dias depois tarde será a vez de Nagasaki (sul).

Foi no dia 6 de agosto de 1945, às 08H15 exatamente, numa hora de grande movimento, que o bombardeiro B29 americano "Enola Gay" lançou a bomba A sobre Hiroshima. A bomba explodiu a 600 metros de altitude, arrasando instantaneamente a cidade.

Cerca de 140.000 pessoas - mais da metade da população da cidade em 1945 - morreram imediatamente e nos meses que se seguiram, vítimas da radiação ou de queimaduras extremas.

No dia 9 de agosto, 74.000 pessoas morreram no segundo bombardeio atômico sobre Nagasaki.

Mas, apesar dos "hibakushas" (sobreviventes irradiados), dos mais idosos e políticos comprometidos formularem votos de paz durante as cerimônias de homenagem aos mortos, as armas nucleares continuam a ameaçar a segurança internacional, como provam as crises norte-coreana e iraniana.

País vizinho do Japão, a Coréia do Norte vangloriou-se um dia de possuir a arma atômica. O desmonte de seu programa nuclear está atualmente em curso depois de negociações muito difíceis em Pequim, com a China, os Estados Unidos, a Coréia do Sul, o Japão e a Rússia.

Pouco depois de Pyongyang, o Irã anunciou a retomada de seu programa de enriquecimento de urânio, questionando o acordo de Paris arrancado pela União Européia após vários meses de discussões em novembro de 2004.

Mais preocupante ainda para a comunidade internacional é o risco de um "11 de setembro nuclear" recentemente evocado pela Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), na hipótese de a arma atômica vir a cair nas mãos de terroristas.

Em fevereiro de 2004, o pai da bomba atômica paquistanesa, Abdul Qadeer Khan, considerado um herói nacional, admitiu ter realizado exportações ilícitas de tecnologia nuclear em benefício do Irã, da Coréia do Norte e da Líbia.

"Hoje, a ameaça que pesa sobre o mundo é mais imprevisível. Em relação à luta contra o terrorismo, trata-se de um novo tipo de guerra, um novo tipo de proliferação, de um novo perigo para nossa segurança. E a questão central é que não se sabe verdadeiramente com quem se deve negociar, e contra quem lutar", destacam os analistas.

Há treze anos, durante o 50º aniversário dos bombardeios de Hiroshima e de Nagasaki, os opositores à arma nuclear tinham algumas razões para ter esperanças.

A derrocada da União Soviética, pondo fim definitivamente à Guerra Fria, afastava a eventualidade de um conflito atômico devastador para o planeta.

Hoje, pelo menos oito países podem afirmar que possuem a arma nuclear: Estados Unidos, Rússia, Grã-Bretanha, China, França, Índia, Israel, Paquistão e, talvez, a Coréia do Norte. Há poucas esperanças de que eles desistam de seu arsenal.

sct-mie/sd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG