Viajantes passam a usar trens para chegar aos aeroportos

chegar ao aeroporto localizado nos arredores de Nova York costumava ser algo simples: bastava pegar um táxi, mesmo que isso significasse pegar trânsito. Mas nos últimos anos o número de opções cresceu, especialmente para se chegar a um dos maiores aeroportos, que oferece trens diretos e serviços coletivos de motorista. As opções adicionais são mais baratas e também, em muitos casos, mais confiáveis, se houver muito trânsito nas estradas.

The New York Times |

NYT

A AirTrain JFK leva passageiros de estações de metrô e
trem até o Kennedy International Airport em Nova York

Viagens em caronas coletivas fornecidas por empresas como a SuperShuttle, nos EUA, e a Go Airport Shuttle, que opera na América do Norte e na Grã-Bretanha, podem levar mais tempo do que em um táxi ou uma limusine, mas são bem mais baratas.

E trens expressos ¿ como o Heathrow e o Gatwick Express em Londres e o AirTrain JFK e o AirTrain Newark na área de Nova York ¿ são menos caros do que um táxi e muitas vezes mais rápidos.

Os trens expressos e o transpasse estão se tornando mais atraentes aos executivos que viajam, disse Dave Kilduff, diretor de gerência de transporte terrestre que faz consultoria para o CWT Solutions Group, porque nesse tipo de ambiente econômico, as corporações estão mudando qualquer coisa para economizar. Elas estão procurando formas alternativas de transporte.

E serviços como a Heathrow Express não são apenas mais rápidos, mas mantêm as pessoas fora das estradas e não fazem mal ao meio ambiente, acrescentou.

Nos primeiros seis meses deste ano, o número de viajantes cujos voos eram no Heathrow Airport foi 8,9% menor do que no mesmo período do ano anterior. Mas a porção desses passageiros da Heathrow Express aumentou 1,6% nesse período. Similarmente, o tráfego de passageiros nos aeroportos de La Guardia, Kennedy International e Newark Liberty International, todos operados pela Port Authority de Nova York e New Jersey, caíram 9,4% nos cinco primeiros meses deste ano comparado ao mesmo período de 2008.

Mas o tráfego de passageiros no Kennedy e Newark AirTrains, também operados pela Port Authority, foi 1,4% mais alto que nos primeiros cinco meses deste ano em relação ao mesmo período do ano passado.

William R. DeCota, diretor de Aviação da Port Authority, estima que no pico do horário de viagem em um dia de semana, de um terço a metade dos passageiros nos trens de Kennedy e Newark são viajantes comerciais.

Talvez a grande atração seja a economia. O AirTrain JFK, que pega os viajantes na Howard Beach e no trem Jamaica e estações de metrô, custa US$ 5 por ida. Pessoas que estão saindo de Newark podem pegar o trem da New Jersey Transit, na Pennsylvania Station em Manhattan, para a estação do Newark Liberty International Airport, onde pegam o AirTrain Newark. A viagem toda custa US$ 15.

NYT

Passageiros utilizam o transpasse da AirTrain JFK para
chegar ao Kennedy International Airport, em Nova York

Em contraste, uma viagem de táxi de ida de Midtown Manhattan ao Kennedy Airport ficaria US$ 45, mais impostos e gorjeta, enquanto ir de táxi de Midtwon a Newark pode custar até US$ 90, mais impostos e gorjeta. Dependendo do tráfego, um transpasse da AirTrain pode ser mais rápido que um táxi.

Kenneth Lin, gerente de planejamento sênior da Parsons Brinckerhoff, em Nova York, uma companhia de consultoria que presta serviço à Port Authority na construção da AirTrain JFK, diz que é devoto do transporte público, incluindo a AirTrain JFK.

É mais barato que táxi e mais confiável durante a hora do rush, disse. Reduz o estresse, já que é menos exclusivo que os táxis, e geralmente chega na hora. De carro ou táxi poderia ser uma viagem rápida como também devagar, dependendo do tráfego.

Os trens da Heathrow e Gatwick Express ¿ ambos os quais possuem carros econômicos e de primeira classe ¿ são significativamente rápidos: o Gatwick Express viaja até Victoria Station em 30 minutos, enquanto a Heathrow Express leva apenas 15 minutos para chegar a Paddington Station. Durante a hora do rush, essas viagens podem ter sua duração triplicada em um táxi.

Uma viagem de classe econômica pela Gatwick Express custa 28,80 libras (cerca de US$ 48) e de primeira classe, 48 libras. Já na Heathrow Express, a taxa econômica é de 32 libras, ida e volta, e a de primeira classe é 50 libras.

O dinheiro economizado com esses meios é também significativo: durante a hora do rush, um táxi de Heathrow a Paddington pode custar até 80 libras (US$ 134), sem gorjeta, enquanto um táxi de Gatwick a Victoria Station pode chegar a 90 libras, também sem gorjeta.

Para atrair viajantes de negócios, a Heathrow Express instalou Wi-Fi e serviço de celular. A Gatwick Expressa oferece serviço de celular e uma refeição rápida. Há um valor cobrado pela internet sem fio e a refeição.

Os dois maiores fornecedores desse tipo de serviço são a SuperShuttle, da Veolia Transportation, que serve 33 aeroportos em 26 mercados nos EUA, e a Go Airport Shuttle, grupo de operadores franqueados, que operam em 80 aeroportos e 36 cidades nos EUA, em Toronto e Londres.

Ambas as empresas têm um intervalo de 15 a 20 minutos para pegar os passageiros em suas casas, escritório ou hotel. Eles vão ao aeroporto de van com outros que são pegos durante o caminho.

Uma ida de táxi pode ser mais rápida, mas certamente será mais cara. Uma viagem de ida com o SuperShuttle a La Guardia do hotel Walfor-Astoria, em Midtown Manhattan, é US$ 14,15, e um pouco mais cara de uma casa ou escritório de Manhattan.

A SuperShuttle tipicamente exige que a van pegue os passageiros três horas antes do horário de partida do voo.

O website ShuttleFare.com, que permite que viajantes marquem vários tipos de transpasse de aeroportos - inclusive aqueles oferecidos pela SuperShuttle e pela Go -, introduziu recentemente um programa de desconto corporativo que não cobra a taxa de serviço normal de US$ 4 por agendamento, além de oferecer descontos de até 7% em passagens.

Matthew Holdrege, diretor de vendas internacionais da Strix Systems, fabricante de banda larga sem fio em Newbury Parks, Califórnia, disse que achou o transpasse de trens uma ideia particularmente atraente para quem estiver viajando sozinho. Mas acrescentou: se estou com minha mulher, que costuma levar muita bagagem, ela vai preferir um tratamento de princesa. Então esqueça o transporte público.

Por JANE L. LEVERE


Leia mais sobre transporte público

    Leia tudo sobre: aeroportoeconomizartransporte público

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG