Ventos políticos da Tailândia estão mudando de direção

BANGCOC ¿ A noite anterior a votação crucial no Parlamento, políticos desertores estavam trancados em seus quartos de hotel para por questões de segurança, seus telefones estavam confiscados para evitar os pedidos e subornos de seus ex-comandantes.

The New York Times |

Acordo Ortográfico

Quando a votação para o primeiro-ministro se encerrou na noite de segunda-feira, os desertores foram contidos e o mais poderoso político, Thaksin Shinawatra, perdeu o controle das políticas eleitorais pela primeira vez nesta década.

Mesmo depois de ser deposto do cargo de primeiro-ministro em um golpe de 2006, com sua riqueza e carisma, ele continuou ¿ exceto por um ano de controle militar ¿ a ser o chefão da Tailândia.

Agora, um fugitivo da justiça, sem casa e com US$2 bilhões em bens congelados, seu passaporte diplomático sem validade e seu passaporte regular em perigo, ele foi ao menos abandonado pelos seus aliados que sentiram a mudança nos ventos políticos.

Acabou, chefe, ouviram um de seus tenentes mais próximos, Newin Chidchob, dizer a ele por telefone. Newin então recusou as ligações da poderosa mulher de Thaksi, Pojaman.


Manifestante pede a volta de Thaksin / AP

O nome de Thaksin perdeu tanto espaço na disputa por votos que seus aliados pediram que ele cancelasse um discurso por telefone que ele faria para mais de 40 mil pessoas no último sábado.

Ao invés disso, ele gravou um vídeo lamentando. Se você me perguntar se eu estou triste, magoado, eu te direi quem sim, estou. Sou humano.

Mas muitos aqui ainda estão preocupados.

O mandato dos sonhos está sendo levado embora, mas eu não tenho certeza se ele morreu completamente, disse Chris Bakes, historiador britânico e co-autor de livros sobre Thaksin. Nós sabemos que Thaksin não desiste com facilidade das coisas. Então eu acredito que ele continuará em cena independentemente de seus poderes estarem limitados, e isso será para testar o governo e derrubá-lo o mais rápido possível.  

Governo eleito

O governo que sobe ao poder agora é uma frágil coalizão liderada pelo Partido Democrata, da oposição, e seu líder, Abhisit Vejjajiva , que depende de algumas pessoas, como Newin, que são próximas a Thaksin.

Esse frágil governo enfrentará uma crise econômica e intensos tumultos sociais e políticos que já derrubaram dois governos este ano. Alguns analistas políticos dizem que esse governo deverá ter uma vida tão curta quanto seus antecessores.


Abhisit fala à imprensa após eleições no Parlamento / AP

Enquanto as coisas não se acertarem, ele ainda terá um papel importante, disse Baker sobre Thaksin. Eu penso em pessoas como Perón, que permaneceu na memória do país por quase uma década em que esteve ausente, disse ele, se referindo a Juan Perón, presidente argentino que voltou ao poder após ser derrubado pelos militares em 1955.

A influência política de Thaksin durou mais de um ano de exílio que próprio se impôs depois do golpe de 2006, e quando uma nova eleição aconteceu em dezembro do ano passado, seus aliados voltaram ao poder. Durante o ano passado, os políticos tailandeses, em sua mais simples forma, foram divididos entre pró e contra Thaksin.

A Aliança do Povo pela Democracia, que fizeram barricada no gabinete do primeiro-ministro durante três meses e tomaram os aeroportos de Bangcoc, focaram sua revolta em Thaksin e no que eles chamaram de governo substituto. 

As cortes judiciais que estavam sob sua influência durante seu governo de seus anos, começaram a agir contra ele e seus aliados em uma série de acusações políticas devastadores.

Em outubro, Thaksin foi condenado a dois anos de prisão por conflito de interesses em um acordo de terras. Ele enfrentará um pedido de prisão quando voltar ao país. Pouco depois disso, a Grã-Bretanha, onde ele mora com a família, revogou seu visto, fazendo dele um duplamente desabrigado.

De muitas meniras, ele está politicamente morto, disse Ammar Siamwalla, economista. Mas Thaksin é algo mais. 

Por SETH MYDANS

Leia mais sobre Tailândia

    Leia tudo sobre: tailândia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG