Um sólido, porém cauteloso retorno dos refugiados georgianos

PEREVI, GEORGIA ¿ Em um dia que os georgianos voltaram correndo dos campos de refugiados aos seus lares, essa povoação da montanha foi envolvida por uma névoa e seus habitantes imaginaram se tinham sido esquecidos.

The New York Times |

Acordo Ortográfico

Eteri Kusiani, que etnicamente é georgiana, permanece acordada antes do amanhecer na quinta, ouvindo disparos distantes e pensando sobre o bilhete escrito à mão que recebeu de um ossetiano desconhecido de uma vila próxima: Apareceremos à noite e levaremos seu marido, que estava deitado ao lado dela, se ele não se explicar.

Cerca de mil georgianos moram em Perevi, que fica perto da Ossétia do Sul separatista. Nesta quinta, horas antes do prazo final para que as tropas russas recuassem do território, os refugiados ainda permaneciam atrás de um posto de controle de reforços russo onde a estação de comunicação, transportadores de tropas e armas pesadas estavam escondidas sob camuflagem.

Porcos vagavam pela estrada não pavimentada que atravessa Perevi e o grande poder político da Rússia e da Geórgia parecem impossivelmente distantes.

As consequências da guerra apareceram sutilmente para Kusiani, com ossetianos irritados à sua porta esperando por mais do que dois galões de seu mel caseiro. Mas, então, o aviso veio, acusando seu marido de transportar soldados georgianos feridos em sua ambulância e tudo começou a parecer muito mais obscuro.

Certamente perdemos a guerra, disse ela tristemente, se envolvendo em um roupão de banho. Perdemos as esperanças de recuperar nossos territórios. Como podemos chamar isso de sucesso? Pessoas morreram. Casas foram destruídas.

A única esperança que tenho, disse ela, é fugir daqui e construir um lar em outro lugar.

As emoções ficaram confusas em toda a Geórgia nesta quinta, enquanto famílias deixavam os acampamentos das cidades onde moraram por semanas ou meses. Embora os oficiais do governo tivessem encorajado os refugiados a esperarem até que as munições que não foram usadas fossem limpadas de suas vilas, foi impossível pará-los. Eles amarraram suas trouxas imensas em cima dos táxis e se conduziram pela estrada.

Por ELLEN BARRY

Leia mais sobre Geórgia

    Leia tudo sobre: georgia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG