Um lado mais suave do policiamento se destaca na China

Ideia é recrutar mulheres para dar nova imagem e suavizar força policial 'chegguan' nas ruas de Chengdu, na China

The New York Times |

Como uma espécie de sargento urbano, Tang Shenbin marchava por uma praça da cidade, inspecionando severamente suas nervosas subordinadas, emitindo comandos, com autoridade militar. Ele queria que as mulheres membros da chengguan - grupo de corpulentos inspetores da ordem urbana da China, temidos e desprezados por sua repressão caprichosa e propensão para a violência – passassem uma certa impressão aos espectadores.

"Endireitem-se!" Mostrem, ele sussurrou, "como são as meninas bonitas!"

Quatro meninas pouco mais que adolescentes, de luvas brancas, jaquetas e calças oliva idênticas, prestavam atenção. Quatro pares de sapatilhas pretas alinhadas. Quatro chapéus empoleirados perfeitamente no topo de cabelos presos por arcos de listras azuis e brancas.

The New York Times
Integrantes da polícia chinesa chengguan, em Xindu, na China
"Pessoalmente, eu acho que elas estão na média", disse Tang, com desdém. "Modelos é que são bonitas".

Mais de um governo tentou retocar a imagem dos inspetores urbanos da China. Uma cidade determinou que todos os novos recrutas precisam ter diploma universitário. A província de Guangdong mudou o uniforme verde para um azul supostamente mais convidativo.

Wuhan, na China central, substituiu olhares feios por forte armamento: em 2009, um relatório indica, 50 policiais cercaram um carrinho de lanches desobediente encarando firmemente por meia hora até que o ambulante decidiu partir.

Xindu, um distrito urbano de 680 mil pessoas em Chengdu, escolheu mudar completamente de imagem. Desde 2003, o distrito tem complementado seus agentes de rua com 13 mulheres, escolhidas especificamente por sua aparência, forma física e juventude. A ideia é dar à força bruta policial um lado mais suave e feminino.

Infelizmente, mesmo Scarlett Johansson teria dificuldades em melhorar a opinião dos chineses sobre esses esquadrões. E por bons motivos, diriam os críticos. Diferentemente da polícia, esses oficiais estão autorizados somente a impor as regras da cidade, impondo multas e outras sanções administrativas. Mas a mídia chinesa rotineiramente retrata uma realidade diferente.

Em janeiro de 2008, os inspetores da província de Hubei espancaram um espectador até a morte depois que ele usou seu celular para filmá-los interrompendo um protesto contra um aterro sanitário de maneira violenta. No ano passado, um manual de formação para os inspetores de Pequim foi furtado e publicado online - ele descrevia como agredir infratores sem tirar sangue.

Lesões

Este ano, um ambulante vendedor de melancias em Xangai teve danos cerebrais após uma briga com cinco agentes. Um violento jogo de videogame, disponível para download online, figura inspetores chineses treinados para atacar os ambulantes de rua.

"A chengguan marcou o governo", lamentou o China Daily, uma publicação nacional, no ano passado depois de outra controvérsia sobre a tática do grupo. O jornal exigia uma "verdadeira limpeza completa".

Os céticos dizem que a abordagem aqui está muito aquém disso. Depois que o distrito anunciou as vagas para oito recrutas do sexo feminino, em outubro, um editorial no Beijing Evening News questionou se as mulheres teriam funções reais ou seriam apenas uma distração cênica. A resposta parece ser um pouco de ambos. O anúncio do distrito buscava por candidatas entre 18 e 22 anos de idade, com uma boa forma física e "as cinco características faciais em forma adequada". Elas devem ser de altura acima da média – mais altas do que 1,60 metros.

A aposentadoria aos 26 anos é obrigatória. As autoridades afirmam que o trabalho é fisicamente muito árduo para mulheres acima de 25 anos.

"Sua imagem é o mais importante", disse um oficial do distrito ao Rednet.com, um site quase governamental. "Em primeiro lugar, as qualidades físicas das candidatas irão determinar se elas cumprem os requerimentos, tais como altura, peso, características faciais, etc". Em seguida, vem o temperamento e "as qualidades intrínsecas".

The New York Times
Três oficiais chengguan falam com proprietário de motocicleta estacionada ilegalmente
Mulheres chengguan são como vasos de flor, disse ele. Mas, além disso, elas "elas têm outras responsabilidades".

Zheng Lihua, vice-diretor do departamento de gestão da cidade para o distrito, não gostaria de endossar essa descrição. Mas ele observou que os requisitos de altura são padrão em muitos anúncios de emprego chineses para ambos os sexos. Bem como a demanda por características faciais.

Se isso significa beleza é uma questão de debate entre os chineses. Certamente, as pessoas com deficiência ou desfiguradas não precisam se candidatar. "Não podemos deixar que uma pessoa manca ou corcunda venha aqui para servir", disse Zheng. "Sua imagem não seria boa".

Liu Yi, que patrulha a Praça Baoguang perto de um mosteiro, tem 22 anos, bochechas altas e boca fina e curva. Ela não considera a pressão sobre sua aparência algo machista, disse. "Você acha que eu pareço sexy neste uniforme?", ela perguntou com um olhar irônico. Sua colega de trabalho, de 21 anos de idade, Xu Yang, disse: "Nosso trabalho é apresentar a imagem da cidade".

Carreira limitada

Elas também não se opõem à sua carreira curta porque têm ambições maiores do que simplesmente enxotar camelôs para os becos onde deveriam limitar os seus negócios. Toda manhã a equipe se depara com uma dúzia de vendedores ambulantes a pé ou de bicicleta, tentando vender tantos pãezinhos e tigelas de tofu quanto possível.

"Mestre Wang, você tem de ir. Nós lhes dissemos muitas vezes!", disse Xu a um vendedor que fugiu a pé, abandonando temporariamente o seu carrinho-bicicleta de macarrão.

As agentes descrevem suas funções como mais monótonas do que árduas. "É quase a mesma coisa todos os dias", disse Huang Jing, 20 anos, que estuda marketing nas horas vagas. "Muita rotina".

Uma razão para isso é que as agentes não têm o mesmo poder de seus colegas do sexo masculino para confiscar bens. Elas só podem ameaçar delatar os infratores a seus superiores do sexo masculino. Isso busca protegê-las de súbitas exibições públicas de animosidade contra o funcionalismo que são comuns em toda a China.

The New York Times
Agentes mulheres não têm o mesmo poder de seus colegas do sexo masculino para confiscar bens
Protesto

Este ano, centenas de cidadãos em Kunming, capital provincial de Yunnan, se revoltaram depois de rumores falsos de que a agentes chengguan haviam matado um ambulante. Mais de uma dúzia de agentes policiais ou chengguan ficaram feridos no episódio, 14 veículos do governo foram virados ou incendiados.

Xindu até agora tem escapado a essa violência. Mas a calma não é garantida. A apenas duas quadras da plácida Praça Baoguang, onde as agentes patrulhavam pela manhã, uma multidão de mais de 50 pessoas se reuniu na esquina de uma rua.

Agentes haviam confiscado uma motocicleta que estava sendo consertada na calçada em vez de dentro de uma oficina, como exigem os regulamentos. O dono da moto reclamava. Um impasse de 15 minutos se seguiu até que os agentes, com expressão séria, abriram espaço entre a multidão com os cotovelos e partiram em seus veículos com a moto e seu proprietário.

Li Xuedong, 40 anos, coordenador do time masculino, ficou para trás, seu crachá branco dobrado para ocultar seu nome. Como as agentes do sexo feminino, os coordenadores – homens com 40 anos ou mais – desempenham um papel meramente de apoio.

Ao contrário delas, eles não são educados a manter uma imagem polida. "Às vezes nós brigamos verbalmente. Às vezes nós brigamos fisicamente", disse Li. "Na maioria das vezes é o público que começa".

*Por Sharon Lafraniere

    Leia tudo sobre: chinapolíciamulheres

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG