Situação em Sichuan preocupa migrantes chineses

SHANGHAI - Li Suyue deixou Sichuan há dois anos e viajou 1.000 milhas até aqui para conseguir um emprego em um pequeno restaurante. Agora, dias depois que um terremoto atingiu sua província, ela está preocupada e não consegue trabalhar. Ela tenta ligar para casa a todo momento.

The New York Times |

  • Caio Blinder: Mais um teste de liderança para regime chinês  
  • Direto de Pequim:  "Uma tragédia no ano que deveria ser alegre"
  • Direto de Pequim: Como é o lugar do terremoto
  • Veja fotos dos locais atingidos pelo terremoto
  • Sentiu o terremoto ou tem conhecidos que estão na região afetada? Envie informações para o Último Segundo
  • Parecia que o prédio ia cair, diz brasileira
  • Saiba quais são os principais terremotos registrados na China
  • Saiba quais os terremotos que mais causaram destruição




  • "Anteontem, meu pai ligou e disse que eles estão OK", ela disse. "Mas agora eu não consigo falar com ele. Minha mente está totalmente perturbada."

    Durante três décadas, o explosivo crescimento econômico da China foi alimentado por uma enorme onda de trabalhadores migrantes, cerca de 200 milhões de pessoas que constroem estradas e prédios, preparam carvão, fundem ferro e operam as linhas industriais que montam a maioria dos brinquedos do mundo, roupas e eletrônicos. Entre eles estão inúmeros grupos de pessoas da província de Sichuan - um número estimado entre 6 milhões e 20 milhões. Como Li, eles partiram para buscar emprego em regiões mais ricas na costa - e agora estão atormentados pelos relatos do maior desastre natural a atingir o país em mais de 30 anos.


    Equipes resgatam homem com vida na província de Sichuan  (Foto: AP)

    Sua tentativa frenética em conseguir notícias de suas famílias são prejudicadas pela queda de linhas do sistema telefônico e torres de transmissão de celulares. A enorme quantidade de ligações congestiona as linhas que funcionam.

    Xiao Fuhua, 33, cuja mulher e três filhos estão em Liangshan, uma área no sul da província de Sichuan que não foi muito atingida, afirmou que não conseguiu falar com sua família.

    "Me disseram que não há sinal em Sichuan por causa do terremoto", disse Xiao, que ganha cerca de US$120 ao mês como trabalhador de obra em Tianjin, leste de Beijing. "Eu recebi muitas notícias negativas da TV. Espero que estejam bem. Acredita-se que o terremoto não tenha atingido Liangshan muito forte, mas ainda estou preocupado."

    Clique na imagem e veja o infográfico sobre o terremoto na China

    Nenhuma outra região da China fornece tanta mão de obra quanto Sichuan, uma região montanhosa fértil no sudeste do país, casa de pandas, florestas de bambu, cozinha picante e um dos terrenos mais difíceis do país, que vai do platô oeste do Tibete até as áridas terras da província de Gansu.

    Sichuan fica acima de uma das maiores placas tectônicas da Ásia, tornando-a suscetível à destruição de terremotos.

    Zhang Shanghai, 21, que mora e trabalha em Shanghai, afirmou que conseguiu falar com sua família. Eles não tinham notícias de um tio que trabalhava em uma mina no momento do terremoto, e ainda se sentiam tremores.

    "Quando eu liguei para minha família ontem, ouvi o som de uma forte chuva", ele disse. "Um tio me disse que tremores ainda são sentidos a cada meia hora e que suas pernas tremem todas as vezes, mesmo quando parece seguro".

    Entenda melhor:

    Veja também:

    Leia mais sobre: terremoto  - China

      Leia tudo sobre: china

      Notícias Relacionadas


        Mais destaques

        Destaques da home iG