TheEroticReview.com passou a dominar a cena da prostituição dos Estados Unidos, que migrou das esquinas para a internet. " / TheEroticReview.com passou a dominar a cena da prostituição dos Estados Unidos, que migrou das esquinas para a internet. " /

Site faz sucesso ao reunir experiências com prostitutas

Em uma história de sucesso pouco conhecida, o site http://www.theeroticreview.com/ target=_topTheEroticReview.com passou a dominar a cena da prostituição dos Estados Unidos, que migrou das esquinas para a internet.

The New York Times |

Mas o futuro da página é incerto, pois seu fundador David Elms está na cadeia em Los Angeles, onde aguarda julgamento em um caso não relacionado às operações do site.

Em dezenas de conversas e em publicações online nas últimas semanas, as prostitutas mostraram preocupação em relação aos negócios caso o The Erotic Review fique offline. Por outro lado, muitos se alegram com a possível queda de Elms.

Uma agência de acompanhantes que foi banida do site acusa Elms de violações antitruste, sugerindo que ele abusa de seu poder sobre os negócios de sexo. Outros críticos dizem que ele aceita, e às vezes exige, sexo ou dinheiro para promover algumas mulheres e agências. Ele nega as acusações.

O website, que ainda está online, permite que os visitantes qualifiquem suas experiências com prostitutas numa escala de 1 a 10, bem como que deixem recados sobre os serviços prestados.

O Erotic Review tem entre 500 mil e 1 milhão de visitantes únicos ao mês, de acordo com as companhias que analisam o tráfego na internet.

Elms, 37, foi preso esse mês por ter falhado em cinco exames de sangue desde outubro, uma violação de sua condicional de uma condenação em 2006 por posse de drogas e arma. Caso tenha violado sua condicional, ele poderá ser condenado a quatro anos de prisão.

Elms, em uma entrevista à rede MSNBC.com em 2006, disse que começou o The Erotic Review em 1999 para dar poder aos clientes de prostitutas. "Eu fui explorado", ele disse. "Não havia como responsabilizar as pessoas por suas ações".

Robert Weisberg, professor de direito de Stanford, disse que a promoção de prostituição online - ainda que abertamente propagandeada - pode não interessar os defensores da lei porque o crime geralmente recebe pouca atenção.

Jodi Michelle Link, promotora do distrito de Los Angeles, disse que as acusações contra Elms surgiram quando a polícia foi chamada a um hotel em 2006 e o encontrou com 3.8 gramas de cocaína e uma arma semi-automática carregada.

Uma prostituta estava no local e disse que Elms a forçou a realizar sexo oral com a arma apontada para sua cabeça, mas não havia evidência suficiente disso.

Leia mais sobre prostituição

    Leia tudo sobre: prostituiçãoprostitutas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG