Pervez Musharraf renunciou ao cargo, gerando questões sobre quem num país tão amplamente dividido poderá se encarregar do governo civil e por quanto tempo." / Pervez Musharraf renunciou ao cargo, gerando questões sobre quem num país tão amplamente dividido poderá se encarregar do governo civil e por quanto tempo." /

Sharif ameaça abandonar coalizão paquistanesa

ISLAMABADE, Paquistão - A ordem política no Paquistão piorou na terça-feira, um dia depois que o presidente http://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/2008/08/18/musharraf_renuncia_a_presidencia_do_paquistao_1575424.html target=_topPervez Musharraf renunciou ao cargo, gerando questões sobre quem num país tão amplamente dividido poderá se encarregar do governo civil e por quanto tempo.

The New York Times |


A piora das relações ficaram evidentes quando Nawaz Sharif, líder de um dos dois principais partidos da coalizão do governo, a Liga Muçulmana do Paquistão-N, abandonou uma reunião local a respeito da restauração do chefe de justiça da Suprema Corte , que foi demitido por Musharraf. Ele então voltou para sua casa em Lahore, quatro horas de distância dali.

Membros do partido disseram que Sharif deu um ultimato ao maior partido da coalizão, O Partido Popular do Paquistão, liderado por Asif Ali Zardari, para que conceda o retorno do chefe de justiça, Iftikhar Muhammad Chaudhry, em 72 horas, ou o partido de Sharif irá abandonar o governo. Chaudhry estava entre os 60 juízes da Suprema Corte que foram suspensos por Musharraf no ano passado.


Ali Zardari (E) e Nawaz Sharif (D) chegam para o encontro / Reuters

Zardari não quer que Chaudhry volte a ocupar o posto. Prefere o chefe da justiça instalado por Musharraf depois que ele impôs o governo de emergência em novembro, Abdul Hamid Dogar, de acordo com advogados familiares com o pensamento de Zardari. Dogar é da província de Sindh, base política de Zardari, e os dois são amigos.

A oposição de Zardari a Chaudhry se baseia no medo que ele possa desfazer um acordo de anistia que o absolveu de corrupção, afirmam os advogados. A anistia era parte de um pacote arranjado por Musharraf quando Zardari voltou ao Paquistão depois que sua mulher, a ex-primeira-ministra Benazir Bhutto, foi assassinada em dezembro.

Mesmo nos padrões voláteis da política paquistanesa, a discórdia pública entre os líderes políticos foi uma surpresa, afirmaram os políticos, um sinal que a oposição a Musharraf pode ter sido o único elo que os manteve unidos até agora.

A saída do partido de Sharif iria enfraquecer e muito o governo mas não necessariamente impulsionar a necessidade de novas eleições. Ainda assim, a situação não serviu para ajudar na estabilidade, com o Paquistão enfrentando o declínio econômico e o fortalecimento da insurgência do Taleban.

Num ataque da região tribal de autoria do Taleban na terça-feira, um homem-bomba invadiu o pronto-socorro do hospital distrital em Dera Ismail Khan, uma cidade próxima a Waziristan, matando 32 pessoas e ferindo outras 55, disse Malik Naveed Khan, inspetor-geral da polícia na província de fronteira noroeste. Ele afirmou que evidências apontavam que o terrorista tinha ligações com Waziristan, base do líder do Taleban paquistanês, Baitullah Mehsud.

Por JANE PERLEZ


Mapa do Paquistão

Leia mais sobre Paquistão - EUA

    Leia tudo sobre: paquistão

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG