Sérvios ameaçam buscar independência na Bósnia

PRAGA - Líderes sérvios ameaçaram abandonar as instituições estatais e voltaram a pressionar por independência da Bósnia-Herzegovina, ameaçando levar o frágil e multiétnico país a uma nova crise política.

The New York Times |

Analistas e observadores da região disseram que a situação pode acabar com o acordo de Dayton, patrocinado pelos Estados Unidos em 1995, que terminou com uma guerra selvagem que matou mais de 100,000 pessoas, a maioria muçulmana, entre 1992 e 1995. O pacto dividiu a Bósnia-Herzegovina em uma Federação croata muçulmana e uma república sérvia, presidida por um sistema político descentralizado que reforçou ao invés de curar as divisões étnicas.

A crise acontece em um momento crítico, poucas semanas depois que o enviado da ONU e da União Europeia à Bósnia, Miroslav Lajcak, foi indicado como ministro do exterior de sua nativa Eslováquia, criando o que os analistas chamaram de uma possivelmente perigosa ausência de poder. Oficiais da ONU alertaram na terça-feira que Lajcak irá continuar a exercitar seus poderes até que um substituto seja encontrado.

Srecko Latal, especialista na Bósnia pela Rede Investigativa de Reportagem dos Balcãs em Sarajevo, capital do país, alertou que o ocidente, distraído pela crise financeira, os conflitos no Iraque e Afeganistão, tem ignorado os sinais de problemas no país. "Os Estados Unidos e a União Europeia precisam se envolver, não apenas pela Bósnia, mas porque o mundo não pode permitir que o que aconteceu da última vez se repita", ele disse.

A segurança da Bósnia é garantida por 2,000 soldados da força de paz da União Europeia. Mas Latal disse que  força não é suficiente para conter as hostilidades, caso elas aconteçam. Delineando o pior caso, ele alertou que se a República Sérvia declarar sua independência, a vizinha Croácia pode responder enviando tropas e os muçulmanos bósnios partiriam para a luta.

Oficiais sérvios da Bósnia, diplomatas ocidentais e a polícia local afirmaram que a crise começou na semana passada quando a polícia estadual do país enviou um relatório ao Gabinete do Promotor Estadual com alegações envolvendo o primeiro-ministro sérvio, Milorad Dodik.

O caso revelado no relatório da Agência Estadual de Proteção e Investigação relata corrupção, fraude e uso incorreto das finanças por inúmeros funcionários governamentais da República Sérvia. Entre as acusações está a construção de um prédio governamental de US$146 milhões em Banja Luka.

Dodik expressou indignação no último final de semana, dizendo que foi vítima de uma caça às bruxas destinada a prejudicar a República Sérvia na Bósnia.

Por DAN BILEFSKY

Leia mais sobre Sérvia

    Leia tudo sobre: sérvia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG