Será que Obama pode salvar a moda das ruas?

NEW YORK - Dois suspeitos de assalto, com as mãos algemadas, foram levados à delegacia de polícia do Bronx há alguns dias. Como muitos jovens, eles usavam calças largas. Elas estavam caindo de suas cinturas, tanto que um deles quase perdeu a indumentária que chegou aos seus joelhos.

The New York Times |

Acordo Ortográfico

Culpados ou inocentes, eles estavam ridículos. O presidente eleito Barack Obama, nós apostamos, concordaria.

A prioridade do novo presidente sem dúvida será impulsionar a economia americana, mas seria ótimo se ele conseguisse levantar as calças dos jovens também. Este é sem dúvida um problema para Nova York, onde mudanças na moda significam empregos, reputações e (com certeza) dinheiro.

Pouco antes do Dia da Eleição, Obama apareceu na MTV e respondeu uma pergunta sobre leis de alguns municípios que proibiram a tendência popular entre os jovens garotos que andam por aí com as calças caindo e expondo mais suas cuecas do que muitos gostariam de ver. Estas leis, segundo o candidato, são "uma perda de tempo".

"Tendo dito isso", ele acrescentou, "os brothers devem subir as calças. Você está do lado de sua mãe, de sua avó e sua cueca está à mostra. O que há de errado nisso? Por favor."

"Algumas pessoas podem não querer ver a sua cueca", disse Obama. "Eu sou uma delas".

A questão agora é se como presidente ele conseguirá mudar a moda urbana através do exemplo.

Há uma persistente crença de que o presidente John F. Kennedy derrubou o uso do chapéu ao preferir andar sem o acessório. Uma geração antes, Clark Gable supostamente devastou a indústria da camiseta de baixo masculina ao desabotoar sua camisa na comédia "It Happened One Night"
de 1934 e revelar um peito descoberto.

(Será que alguém já estudou se as mulheres que pediam carona naquela época começaram a mostrar as pernas depois que Claudette Colbert fez isso naquele filme clássico?)

Muitos especialistas dizem que o papel de JFK no final do reinado dos chapéus não passa de um mito e que os americanos deixaram para trás seus fedoras muito antes da posse do presidente em  1961. Na moda, disse Anne Hollander, autora de "Sex and Suits" e outros livros sobre como nos vestimos, "quando observamos atenciosamente, há evidência de que a tendência mudou lentamente e não foi responsabilidade de uma única pessoa".

Ainda assim, o novo presidente pode ser capaz de criar um exemplo bem talhado a ser seguido. "Ele definitivamente pode ter influência", disse Hollander. "Todos olham para ele o tempo todo. Isso significa que irão absorver o que veem. Mesmo que de maneira incosciente, irão fazer algo a respeito".

Ruth P. Rubinstein, professora de sociologia do Instituto de Tecnologia da Moda em Manhattan, concordou. "Está claro que o que o presidente usa influencia a população", ela disse

Nem todos acreditam que apenas as palavras serão o suficiente. Uma dessas pessoas é Alan Flusser, designer de roupas para homens de Manhattan que escreveu diversos livros sobre moda. Quando o assunto é Obama e os brothers das calças caídas, "Eu não acho que os comentários dele contra ou a favor irão influenciar ninguém", disse Flusser.

Mas também, disse John Birmingham, editor chefe da revista DNR, o visual direto da prisão refletia igualmente em seu estilo uma influência do passado. "Um visual mais limpo e formal está em ascensão", ele disse.

"Uma das coisas que as pessoas da moda dizem é que quando se vê algo onipresente isso significa que a tendência morreu", disse Birmingham.

Mesmo assim, o visual despojado permanece ainda que as calças largas saiam de moda. "Eu não quero dizer que isso já morreu e você não verá mais essas calças", ele disse. 'Mas verá menos eu acho. Talvez Obama tenha tido alguma influência sobre isso".

Não menospreze o estilo de um presidente. Com "alguns refinamentos", afirmou Flusser sobre Obama, "ele tem o potencial de aumentar o padrão em relação ao estilo". Flusser sugeriu toques simples. Em geral, o presidente eleito "parece confortável em suas roupas", ele disse. "Ele parece vesti-las, ao invés de ser vestido".

Talvez, se conseguir fazer com que os jovens parem de andar com as calças caídas, Obama possa partir para a exterminação dos ternos encolhidos que também se tornaram populares (aqueles com paletós com mangas que terminam bem antes do punho e calças que nunca chegam ao tornozelo). Por que alguém pagaria milhares de dólares por uma roupa que não serve é um mistério.

Economia? Iraque? Afeganistão? Deixe isso para lá. Vejamos se o presidente eleito consegue persuadir os homens a abandonarem o visual que alguns chamam de Thom Browne. "Essa", segundo Birmingham, "seria sua melhor influência".

Por CLYDE HABERMAN

    Leia tudo sobre: obama

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG