Sarah Palin e os kits de estupro

Mesmo em tempos de dificuldades financeiras, há limites que não devem ser excedidos. Por isso, levei um susto com a notícia da Associated Press: Quando Sarah Palin era prefeita de Wasilla, Alasca, a pequena cidade começou a cobrar vítimas de agressões sexuais pelos gastos de kits de estupro e exames judiciais.

The New York Times |

Acordo Ortográfico

Palin deve explicação aos eleitores. Qual é a razão de cortar miseráveis poucos dólares usados para cobrir custos anuais de materiais para exames médicos? De quem foi a idéia tola de fazer as vítimas de violência sexual e suas empresas de seguros pagarem por isso? Infelizmente, a campanha da candidata está lhe dando cobertura para evitar a imprensa, então os americanos devem esperar por repostas até o dia da eleição.

A controvérsia do kit de estupro é uma questão preocupante. A ofensa às vítimas de estupro é evidente. Como também é a visível discriminação em fazê-las pagar os gastos para a investigação de seu caso. E o resultado principal de cobrar as vítimas é proteger os agressores ao desencorajar as mulheres de reportar os ataques sexuais.

Por esse motivo, o senador Joe Biden, democrata candidato à vice-presidência, ao destacar o Ato de Violência contra Mulheres de 1994, incluiu condições de reprovação às concessões do dinheiro federal caso haja cobrança às vítimas de estupro por exames e kits de suprimentos médicos necessários. (O senador John McCain, parceiro na candidatura de Palin, votou contra a iniciativa de Biden e não teve seu nome entre a longa lista de patrocinadores a cada renovação do ato.)

Isso também explica porque. quando as práticas de cobrança às vítimas de estupro, em Wasilla, vieram a público, o Poder Legislativo do Alasca aprovou o projeto de lei suspendendo-as, em 2000.

Nunca cobraríamos uma vítima de roubo pelos gastos de pegar impressões digitais e tirar fotos da cena do crime ou pelos custos de recolher quaisquer outras evidências, disse o então governador do Alasca, Tony Knowles. Nem cobraríamos uma vítima de estupro só porque a cena do crime é seu próprio corpo.

De qualquer forma, se Palin alguma vez falou sobre o assunto nenhuma gravação veio à tona. A campanha da candidata não iria responder questões sobre quando ela informou a posição e apoiou fortemente o delegado: seja ela tendo visto o orçamento ou não, seja ela tendo dado as instruções antes ou depois do Poder Legislativo do Estado declarar a prática ilegal.

Tudo o que a campanha faria seria providenciar um release de pronunciamento à imprensa: Prevenção à violência doméstica e agressões sexuais é uma prioridade para a governadora Palin.

Eric Croft, democrata ex-legislador do estado responsável pela correção da legislação, acredita que a prefeita de Wasilla sabia o que estava acontecendo. (Ela parece ter prestado atenção em todos os detalhes da vida da cidade, incluindo quais livros estavam nas estantes das bibliotecas.)

O hospital local fazia cobranças, mas foi a cidade que tomou essa posição, Croft apontou. Essa política refletia nos documentos orçamentários assinados por Palin.

Além disso, Croft disse que logo após sua medida ter virado lei, o jornal local de Wasilla informou que o delegado escolhido pela própria Palin, Charlie Fannon, reconheceu as práticas de cobrança para coletar evidências em casos de violência sexual. Ele se queixou das exigências do estado de que a cidade usasse de $5.000 a $14.000 por ano para cobrir os gastos. Eu só não quero ver mais carga em cima de quem paga impostos, explicou o delegado.

Não consigo imaginar um delegado de polícia, seja de uma cidade grande ou pequena, enfrentando toda a Legislatura do Estado por uma conta que passou unanimemente e sem mencionar ao prefeito o que está fazendo, disse Croft. Mesmo não que não a tenha informado, seria difícil ela perder o artigo do jornal.

Na falta de respostas, a especulação está borbulhando na blogosfera que a política de cobrar vítimas de estupro em Wasilla tem algo a ver com a oposição extrema de Palin ao aborto, mesmo em casos de estupro. Vítimas de agressão sexual, tipicamente, recebem pílula do dia seguinte, o que algumas pessoas de posições intolerantes consideram ser igual ao aborto.

Desconfio que o resultado dessas attitudes estúpidas e antiquadas foi esse corte de orçamento. Ainda assim, Palin foi governadora por dois anos e está concorrendo à vice-presidência para ampliar sua experiência como prefeita da pequena cidade de Wasilla ¿ uma credencial muito mais elevada, ela nos disse, para uma organizadora da comunidade.

Sobre os kits de estupro, como em outros assuntos, ela deve aos eleitores uma resposta direta¿

- DOROTHY SAMUELS

Leia mais sobre Sarah Palin

    Leia tudo sobre: palin

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG