Rumores de conspiração sobre o 11/9 viram sabedoria popular em países árabes

CAIRO, Egito - Sete anos depois, a sabedoria popular ainda dita que Osama Bin Laden e a Al-Qaeda não poderiam ser os únicos responsáveis pelo 11 de setembro de 2001 e que os Estados Unidos e Israel precisariam ter se envolvido no planejamento, ou até mesmo na execução dos ataques.

The New York Times |

Acordo Ortográfico

Essa não é a conclusão de uma pesquisa científica, mas o que surge rotineiramente nas conversas nesta região - num shopping em Dubai, num parque na Argélia, num café em Riyadh e em todo o Cairo.

"Veja, eu não acredito no que o seu governo e a imprensa dizem.
Simplesmente não pode ser verdade", disse Ahmed Issab, 26, engenheiro sírio que vive e trabalha nos Emirados Árabes Unidos. "Por que eles diriam a verdade? Eu acho que os Estados Unidos organizaram isso para ter uma desculpa para invadir o Iraque em busca de petróleo".

Para os americanos é fácil afirmar que este pensamento é bizarro, mas essa postura deixaria de lado o fato das pessoas desta parte do mundo acreditarem que os líderes ocidentais, especialmente em Washington, precisam entender: que a persistência de idéias como essa representa a primeira falha na luta contra o terrorismo - a incapacidade de convencer as pessoas locais de que os Estados Unidos, de fato, combatem o terrorismo e não os muçulmanos.

"Os Estados Unidos deveriam se preocupar pois as pessoas precisam acreditar que o mal existe para poder ajudá-los a combatê-lo", disse Mushairy al-Thaidy, colunista do jornal saudita Asharq al Awsat. "Caso contrário, isso irá atrapalhar sua capacidade de combater o terrorismo. Essa não é uma batalha que se luta sozinho".

Há muitas razões pelas quais as pessoas aqui dizem acreditar que os ataques do 11 de setembro fizeram parte de uma conspiração contra os muçulmanos. Algumas não tiveram relação com a ação ocidental e outras foram motivadas pelas políticas ocidentais.

Muitas vezes, as pessoas disseram que simplesmente não acreditam que um grupo de árabes (como eles) poderia executar uma operação bem-sucedida contra uma superpotência como os Estados Unidos. Mas também dizem que as políticas adotas por Washington após o 11 de setembro provaram que os Estados Unidos e Israel estavam por trás dos ataques, especialmente com a invasão do Iraque.

Os rumores que se espalharam pouco depois do 11 de setembro foram tão debatidos que já não se sabe onde e como começaram. A essa altura as pessoas já ouviram as histórias tantas vezes, mesmo na televisão, que pensam ser verdade.

Por MICHAEL SLACKMAN

Leia mais sobre 11 de setembro

    Leia tudo sobre: 11 de setembrothe new york times

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG