Risco de câncer esquenta debate sobre bronzeamento artificial

Para muitos de nós, a notícia de que camas de bronzeamento representam um risco de câncer tão grande quanto o cigarro e o amianto não passou da confirmação de uma suspeita: não existe bronzeado saudável, pelo menos nenhum que seja causado por raios UV.

The New York Times |

Depois de revisar antigos estudos, a Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer, parte da Organização Mundial da Saúde, reclassificou as camas de bronzeamento de "provavelmente carcinogênicas" para simplesmente "carcinogênicas", dizendo que o risco de melanoma aumenta em até 75% nas pessoas que começam a usar os aparelhos antes dos 30 anos. A pesquisa da agência foi publicada no website do grupo The Lancet Oncology no mês passado.


Caroline Brennan quer fugir da cor alaranjada com bronzeamento por spray / NYT

Ainda é muito cedo para dizer como os negócios de camas de bronzeamento serão afetados. James Oliver, principal executivo da Beach Bum Tanning, que tem mais de 25 salões de bronzeamento em Nova York, disse que as "pessoas estão entrando nos estabelecimentos e perguntando sobre isso, mas nós não vimos uma diminuição na demanda". No entanto, o estudo incitou um novo debate na blogosfera que questiona "se o pálido é o novo bronzeado".

Outros querem saber se opções de bronzeamento sem raios UV (sprays, cremes e loções de bronzeamento) irão se beneficiar com o estudo.

Natalie Cupid, gerente do Sundara, um salão de bronzeamento por spray de Midtown, disse que mesmo antes do estudo ela havia notado um afastamento da solução UV. "Muitos de nossos clientes não abandonaram completamente as camas mas definitivamente se tornaram mais cientes de que elas não são tão saudáveis quanto imaginavam", ela disse.

Cliente do Sundara, Caroline Brennan, 32, está entre aqueles que ainda querem um bronzeado, mas sem os raios UV. Ela abandonou as camas de bronzeamento de vez. O spray lhe permite chegar mais perto de sua cor natural e não "àquela da mulher de 'Quem Vai Ficar com Mary?'", ela disse, se referindo a Magda, personagem super bronzeada do filme.

Realmente, muitas companhias responsáveis pela formulação de cremes bronzeadores criaram opções para aqueles que querem uma cor mais sutil. Quase todos ainda dependem do DHA, um carboidrato simples que causa uma reação química em contato com os aminoácidos da pele morta fazendo com que escureçam. Mas ao equilibrar o DHA com outros agentes como açúcares naturais que também reagem com aminoácidos, alguns fabricantes, inclusive a Fake Bake e a Vani-T, chegaram lentamente a um bronzeado de tom mais natural, ao invés do laranja Oompa-Loompa em voga nos anos 1990.

Nós vimos algumas inovações no auto-bronzeamento conforme muitos produtos melhoram, disse Karen Grant, analista do Grupo NPD. "Há um brilho menos laranja e menor risco da cor desbotar ou escorrer em público".

Além disso, os fabricantes também têm incluído elementos hidratantes e anti-envelhecimento nos produtos. Por exemplo, a linha Jergens Natural Glow se anuncia primeiro como hidratante e depois como auto-bronzeador. Mas tais inovações não foram suficientes manter o mercado em crescimento. As vendas de loções e sprays bronzeadores começaram a recuar em 2007 e caíram 20% em 2008, de acordo com o NPD. Esses declínios continuaram no primeiro quadrimestre deste ano.

As pessoas que trabalham neste setor rapidamente culpam a economia pela queda, mas outros vêem isto como uma mudança estética.

Nina Jablonski, professora de antropologia da Universidade Penn State e autora de Skin: A Natural History (Pele: Uma História Natural, em tradução livre) tem observado uma mudança em direção à "aceitar e aumentar o que se tem" ao invés de "dar um salto gigantesco na cor da pele", em parte graças a celebridades como Nicole Kidman e Scarlett Johansson que declararam publicamente sua aversão ao bronzeamento. O estudo sobre as camas de bronzeamento deve aumentar este sentimento.

"O que vemos é o crescimento da tendência natural conforme as pessoas buscam uma pele com aparência mais normal", disse Grant do NPD. "Aquele look pesado de um bronzeado forte já não está na moda como antigamente"

- DOUGLAS QUENQUA

Leia mais sobre bronzeamento artificial

    Leia tudo sobre: bronzeamento artificialcâncersaúde

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG