Revistas internacionais conquistam a Índia

NOVA DÉLI - Cortes de cabelo da moda e dicas sobre como esquecer um velho amor. O gloss para os lábios que é a sensação do mês e o novo taco que deixará seus colegas de golf com inveja.

The New York Times |

Uma onda de revistas ocidentais atingiu as bancas da Índia nos últimos 12 meses, com a familiar mistura de consumo e fofoca, conselhos e objetos de desejo caríssimos.

A versão indiana de revistas como Vogue, Rolling Stone, OK!, Hello, Maxim, FHM, Golf Digest, People e Marie Claire floresceram esse ano e outras, como GQ e Fortune, devem seguir a tendência. Elas agora se unem a nomes como Cosmopolitan, Good Housekeeping e Reader's Digest.

Novos ricos

Apesar da crescente inflação e da desaceleração da economia, a Índia permanece um dos melhores lugares para a publicação de revistas. A propaganda em revistas na Índia deve crescer 20% e chegar a US$302 milhões em 2008, de acordo com a Federação Internacional da Imprensa Periódica. Toda uma classe de novos ricos nasceu nos últimos anos com o aumento nos preços e o surgimento de famílias em que é comum a renda dupla em algumas áreas urbanas de classe média alta.

"Há cerca de um milhão de casas que geram mais de US$100 mil cada" na Índia, disse Alex Kuruvilla, chefe executivo da Conde Nast India, a única editora internacional com uma equipe completa no país. Em outubro, a revista Vogue completará um ano no país e a Conde Nast irá apresentar a revista de moda masculina GQ em setembro.

A maioria das revistas ocidentais publicada na Índia não é tão ocidental assim - elas são escritas, fotografadas, editadas e criadas quase completamente na Índia. Muitas são publicadas sob licença da companhia proprietária da marca.

Produto indiano

Ainda que o nome seja conhecido do leitor americano, o sabor é distintivamente indiano. Ao invés das dicas da dona-de-casa Heloise, por exemplo, a revista Good Housekeeping tem a "Pergunte a Sra. Singh". Nesse mês, a Sra. Singh fala sobre como manter sua casa fresca durante a temporada de monções que atingem a Índia durante o verão (tapetes de borracha e flores ajudam).

Mesmo com um preço de capa de 100 rupis, ou cerca de US$2.50, e a crescente demanda por papel importado, a edição indiana da Vogue, com 50 mil exemplares pode fechar seu primeiro ano com lucros, disse Kuruvilla, graças aos anúncios contínuos de produtos de luxo.

"Nós não planejamos isso", ele disse. "Esperávamos empatar em quatro ou cinco anos".

Por HEATHER TIMMONS

Leia mais sobre: Índia

    Leia tudo sobre: índia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG