Republicanos recrutam moradores de rua para Partido Verde nos EUA

Membros do Partido Republicano admitem que novas candidaturas verdes podem tirar alguns votos dos democratas

The New York Times |

Benjamin Pearcy, candidato a um cargo estadual no Arizona, lista uma filial do Starbucks como seu comitê de campanha. O trabalho autônomo que informa na sua declaração de campanha não passa de sua performance dedilhando um violão pelas ruas. O debate interno que ele tem enfrentado antes de seu próximo debate televisivo é se deveria ou não esculpir o falso penteado moicano que virou sua marca registrada.

The New York Times
O republicano Steve May discursa para candidatos recém-filiados ao Partido Verde americano
Pearcy, 20 anos, está concorrendo a um assento na Comissão Corporativa do Arizona, que supervisiona os serviços públicos, a segurança ferroviária e a regulamentação de valores mobiliários. Apesar de Pearcy dizer que está levando sua primeira candidatura a um cargo público a sério, o estabelecimento político local o vê como nada mais do que um truque sujo.

Pearcy e outros andarilhos e moradores de rua foram recrutados para concorrer pela chapa do Partido Verde por um agente político republicano, que admite abertamente que essas candidaturas podem surrupiar alguns votos dos democratas.

Denúncia

O Partido Democrata do Arizona apresentou uma denúncia formal aos promotores locais, estaduais e federais em um esforço para que os candidatos sejam removidos da chapa e o Partido Verde encorajou os seus apoiadores a evitar os candidatos desonestos.

The New York Times
Anthony Goshorn, candidato pelo Partido Verde do Arizona, é visto como parte do plano republicano para minar democratas
“Estas não são pessoas sérias e foram recrutadas como parte de uma cínica manipulação do processo eleitoral”, disse Paul Eckstein, advogado que representa os democratas. “Eles não sabem distinguir o verde do vermelho”.

Mas Steve May, o agente republicano que recrutou alguns dos candidatos ao longo da Avenida Mill, uma região comercial boêmia ao lado da Universidade do Estado do Arizona, insiste que há um verdadeiro movimento político por trás e que isso não tem nada a ver com subterfúgios.

“Eu recrutei candidatos? Sim”, disse May, que também concorre ao Legislativo estadual, na chapa republicana. “São candidatos falsos? De jeito nenhum”.

O Partido Democrata está chocado com a tática de May e de pelo menos dois outros republicanos que ajudaram a recrutar candidatos para o Partido Verde, que não dispõe de recursos para ter candidatos nas disputas de todo o Estado, criando assim a oportunidade de que qualquer um se inscreve e conquiste facilmente as primárias e, com isso, um espaço na disputa de novembro.

Reclamações sobre os candidatos espúrios surgiram muitas vezes antes, mas nunca envolvendo uma lista inteira de candidatos moradores de rua.

O Arizona, onde os democratas, republicanos e independentes representam cada um cerca de um terço da população, é conhecido por sua política de jogo duro. A contestação às petições de indicação de candidatos é algo comum. Processos judiciais relacionados com as eleições são arquivados com regularidade. Esta não é a primeira eleição em que um partido acusa outro de inscrever candidatos apenas para enganar os eleitores.

Além dos candidatos inscritos por May, os democratas alegam que muitos outros tomaram conta de todas as disputas do Estado, incluindo uma em que a companheira de quarto da filha de um legislador republicano está concorrendo como candidata do Partido Verde em um concurso competitivo para o Senado do Estado. Eles citam uma variedade de leis eleitorais estaduais e federais que os republicanos podem ter violado ao apresentar candidatos de fachada pelo Partido Verde.

*Por Marc Lacey

    Leia tudo sobre: arizonarepublicanospartido verdeeleiçõeseua

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG