Republicanos alertam contra realinhamento conservador do partido

WASHINGTON - Enquanto os congressistas republicanos cuidam de suas feridas políticas e tentam planejar uma recuperação em 2010 e depois, eles podem consultar Susan Collins, Lamar Alexander e Peter T. King.

The New York Times |

Acordo Ortográfico

Os senadores Collins e Alexander e o representante King estão entre os republicanos que venceram os obstáculos em um ano terrível para seus colegas de partido. Sua reeleição oferece um mapa sobre como o partido pode vencer em um ambiente político desfavorável. A resposta, os três veteranos concordam, não é uma posição mais conservadora, combativa e focada em questões partidárias.

"O que não funciona é a uma linha política desenhada sobre areia", disse Collins do Maine, que conquistou 61% dos votos enquanto o senador Barack Obama recebeu 58% na disputa presidencial em seu Estado.

"Nós estamos fadados ao erro se insistirmos num apelo totalmente rural e fora do noroeste", disse King, de Nova York.

"Nós podemos falar sobre princípios, mas precisamos transformá-los em ações com as quais a maioria das pessoas concorde", disse Alexander, do Tennessee, auto-intitulado conservador que foi capaz de atrair eleitores negros.

AP
Collins é contra o conservadorismo republicano
Seus comentários foram feitos sobre a divergência de opiniões sobre o futuro do partido que atingirá os republicanos em seu retorno ao Capitólio na próxima semana para a eleição dos líderes da Câmara e Senado.

Conservadorismo

Dentro e fora do Capitólio, muitos republicanos pedem que o partido se realinha em um fronte conservador.

"Nós precisamos pensar além, desenvolver estratégias conservadoras de vitória e comunicá-las de forma eficiente ao povo americano", disse o representante Mike Pence de Indiana, líder do bloco conservador que deve ser o número 3 entre os republicanos da Câmara, numa carta aos colegas buscando seu apoio.

Mas os republicanos que prosperaram no Dia da Eleição dizem que os legisladores do partido devem se concentrar nas questões com as quais os eleitores se relacionam em suas vidas diárias ao invés de jogar jogos partidários.

"O que as pessoas buscavam ouvir nesta eleição é o que acontecerá com seus bolsos, sua saúde, sua conta de energia?", disse Alexander, que quer voltar ao Senador como o número 3 republicano. "Nós precisamos dar um passo para trás e mudar fundamentalmente a forma como falamos sobre as questões e nos concentrar no que podemos fazer para ajudar o país ao invés do que podemos fazer para ajudar o partido republicano".

Por CARL HULSE

Leia mais sobre eleições nos EUA

    Leia tudo sobre: eleições nos eua

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG