Rastreamento de emissões de carbono será mercado lucrativo nos EUA

SÃO FRANCISCO - Se o Congresso aprovar a lei que colocará preço sobre as emissões de carbono, as companhias precisarão medir e informar o quanto suas operações emitem.

The New York Times |

A Kleiner Perkins Caufield & Byers, uma das maiores companhias de empreendimento capital do Vale do Silício, aposta que o mercado de créditos de carbono irá abrir as portas para uma nova espécie de companhia de software.

Desde 2007, a companhia vem silenciosamente preparando a Hara, uma empresa que começará a vender nesta segunda-feira um software que ajudará empresas a medir e reduzir as emissões de gases causadores do efeito estufa.

"Não fazemos isso para que as companhias escondam suas emissões erradas, mas sim para que economizem", disse John Doerr, sócio da Kleiner Perkins, que investiu US$6 milhões na Hara.

Doerr, que tem sido um forte defensor da lei que coloca preço sobre a emissão de carbono, afirma que softwares como o produzido pela Hara serão vitais para que ela funcione. "Nós podemos aprovar todas as leis que quisermos, mas se não rastrearmos, gerenciarmos, verificarmos e chegarmos a um objetivo, então tudo será em vão, e isso só será possível com tecnologia da informação", ele disse.

Amit Chatterjee, fundador e chefe executivo da Hara, afirma que o nome da companhia vem do sânscrito, onde significa "verde". "Uma economia pós-carbono surgirá nesta década", ele disse. "Isso exigirá um registro ambiental em todas as companhia".

O software online da Hara rastreia os recursos usados pela companhia, como eletricidade e água, além das emissões de carbono e outros. Depois o software prevê as emissões futuras e ajuda a companhia a optar por formas de reduzi-la, como novas lâmpadas ou um tipo diferente de ar condicionado. O progresso é acompanhado e um arquivo criado para auditoria.

A Coca-Cola tem usado o software da Hara como parte de um projeto piloto para acompanhar as emissões de gases causadores do efeito estufa em suas mil sedes em todo o mundo. O software ajuda a companhia a acompanhar os projetos que mudam de país para país. Na África do Sul, por exemplo, a Coca-Cola está mudando de petróleo cru para o gás natural. Nos Estados Unidos, onde as fábricas não usavam petróleo, a companhia reformou seu sistema de iluminação.

Leia mais sobre emissões de carbono

    Leia tudo sobre: emissões de carbono

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG