Raça continua a ser questão presente na campanha presidencial

ST. CLAIRSVILLE, Ohio - O senador Barack Obama perdeu a primária democrata de Ohio por 10 ponto percentuais e a de West Virginia por 40 pontos, durante a primavera, um sinal para alguns analistas de que muitos dos brancos da região não elegeriam um negro à presidência.

The New York Times |

Acordo Ortográfico

Ainda assim, a governadora Sarah Palin, candidata republicana à vice-presidência, passou pela região branca e economicamente prejudicada da fronteira entre estes dois Estados no domingo apenas para perceber que a candidatura republicana está em dificuldade por ali.

Mas s raça está na mente de muito eleitores locais, que dizem temer um presidente negro mesmo que ele seja melhor para a economia.

"O que se ouve por aqui é: você prefere ter um negro amigo na Casa Branca ou um branco inimigo?", disse John Schuster, republicano de Wheeling, West Virginia, que participou do comício de Palin junto com algumas centenas de pessoas.

Reuters

Raça ainda é empecilho para votar em Obama


"A maioria das pessoas que eu conheço são McCain e isso contece principalmente por causa da raça", Schuster confirmou. "Obama não tem os amigos certos - aquele reverendo Wright e o terrorista Bill Ayers. Acontece que Obama pode ser melhor para o trabalho, mas muitos de nós não confiamos nele."

A candidatura de Obama, o indicado democrata, chegou a aparentar a promessa de um novo debate nacional sobre raça. Ainda assim, a raça parece uma questão sutilmente abafada e o comitê do candidato nunca chegou a lidar com ela diretamente.

Ao invés disso, a raça surgiu para confirmar o tamanho da divisão racial entre o eleitorado - os que expressam desconfiança em relação a ligação de Obama com seu controverso ex-pastor, o reverendo Jeremiah A. Wright Jr., ou os que descrevem o candidato como elitista. Enquanto os conselheiros de Obama dizem não acreditar que a raça será um fator determinante da eleição, a atual divisão racial pode se mostrar mais clara no dia 4 de novembro.

"Obama se posicionou como um candidato além da raça desde o começo e faz isso muito bem", disse Douglas Brinkley, historiador presidencial, "mas a questão é que alguns eleitores (não se sabe quantos) não deixarão sua raça de lado. Eu acredito que a candidatura de McCain-Palin fará uso disso".

Por PATRICK HEALY

Veja também:

Leia mais sobre eleições nos EUA

    Leia tudo sobre: eleições nos eua

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG