Quando se ganha na loteria, o anonimato é apreciado

NOVA YORK ¿ O resultado da fortuna pode ser a fama, mas para o ganhador da segunda maior loteria de Nova York, o objetivo de uma coletiva de imprensa obrigatória era tornar seus 15 minutos de fama parecer cinco.

The New York Times |

O ganhador, Aubrey Boyce, agente da Autoridade de Transporte Metropolitano, que ganha US$ 64,472 por ano, foi presenteado com um cheque gigante na terça-feira de manhã, por ganhar um prêmio de US$ 133 milhões.

Enquanto as câmeras soltavam flashes em direção ao palco em uma mesa dentro do Grand Central Terminal, Boyce fez o melhor que pode para sua apresentação como milionário ser o mais curta e tranquila o possível.

Usando óculos de sol e com uma expressão calma, Boyce, 49, foi em direção ao púlpito e alegrou os repórteres com sua história de vida que caberia em um post do Twitter. Ele nasceu em algum lugar da América do Sul. Tem uma mulher e não possui filhos. Não anunciou seus principais planos, exceto que ele provavelmente iria pescar em algum lugar quente.

Boyce, que mora em Kew Gardens, no Queens, deu um passo a frente para declarar seu prêmio em 22 de julho. Ele gastou US$ 2 ¿ deixando o computador da loteria escolher seus números, no estilo Escolha Rápido ¿ pelo ticket em 7 de julho. Ele geralmente gastar cerca de US$ 12 por semana em tickets de loteria, disse.

E o cheque gigante foi coberto por algum anônimo: para melhor administrar sua sorte inesperada, Boyce se colocou como signatário de um crediário que ele mesmo fez, o Archibald Trust, que recebeu o pagamento em cheque. Nem Boyce, nem seu advogado comentaram a origem dos nomes.

Mesmo funcionários da loteria não souberam dizer.

Não nos disseram, disse Jennifer Givner, porta-voz da loteria de Nova York.

A curiosidade é pequena. Quando, de repente, e torna um homem multimilionário, os amigos ¿ muitos dos quais você nem sabia ter ¿ começam a aparecer do nada.
Hoje em dia, muitos ganhadores preferem não mostrar o rosto na televisão ou em jornais, disse Givner. Mas em Nova York, os ganhadores devem fazer algum tipo de aparição pública em nome da transparência e publicidade.

A reação inicial de Boyce, quando suspeitou que havia ganhado era de se esperar: ficou em choque. Checou seus números ¿ 25, 27, 35, 38, 39, e o Mega Ball, 28 ¿ duas vezes com os números da televisão, com os da internet e, no próximo dia em uma das lojas de conveniência mais próximas. A reação de sua mulher também não foi nada fora do comum.

Ela achou que eu estava inventando, disse Boyce.

Não muito depois de confirmar seu prêmio, Bouce achou um advogado, Michael Davidoy, que é especialista em planejamento de bens.

O conselho que ele deu a seu cliente foi direto e reto, disse.

Primeiro, não fraude.

Alguns ganhadores tentam esconder sua loteria ou outros prêmios públicos. Lembra de Richard Hatch, ganhador de US$ 1 milhão da primeira temporada de Survivor, que foi condenado por sonegação de imposto e mandado para a prisão após não conseguir relatá-lo ao Serviço de Receita Interna.

Próximo, disse Davidoy, pese suas opções.

Assim que comprou o ticket, Aubrey decidiu, na loja de conveniência Shjv, em frente à estação F do metrô na Rua 169th ¿ fazer um pagamento total das somas. Isso baixou seu prêmio para US$ 82.762.912. Após os impostos, seu prêmio foi para US$ 54,6 milhões.

O último conselho de seu advogado: não fale com a mídia. Os cinco minutos que Boyce passou em frente às câmeras e seu desaparecimento foi digno de Houdini, e mostrou que ele havia aceitado o conselho de seu advogado.

Por DOMINICK TAO


Leia mais sobre loteria

    Leia tudo sobre: conselholoteriaprêmio

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG