Preparo físico de soldados americanos vai além de abdominais

Exercícios com origem no pilates ou na ioga foram adotados pelas Forças Armadas para reduzir acidentes e melhorar o preparo físico

The New York Times |

O sol amanhece em Forte Jackson, na Carolina do Sul, no maior centro de formação do Exército, ao som da marcha de novos recrutas a caminho de seu exercício matinal. Mas atualmente alguma coisa parece diferente. A conhecida rotina com abdominais desapareceu – ou está perto disso.

Exercícios que tiveram origem no pilates ou na ioga foram adotados pelas Forças Armadas e a tradicional proibição do condicionamento a longo prazo foi revogada. Esse é um programa novo de formação física do Exército, lançado este ano em seus cinco centros de formação básica que lidam com 145 mil recrutas por ano.

The New York Times
Jovens militares são vistos como menos resistentes pelos treinadores
Depois de quase uma década de preparação, seu objetivo oficial é o de reduzir acidentes e melhorar o preparo físico dos soldados para os rigores do combate em terrenos acidentados como o do Afeganistão. Mas, acima de qualquer coisa, o programa foi criado para ajudar a resolver as questões mais prementes  nas forças militares atualmente: recrutas acima do peso e fisicamente despreparados.

“O que descobrimos é que os soldados de hoje não estão em tão boa forma como costumavam estar”, disse o tenente-general Mark Hertling, que supervisiona o treinamento básico para o Exército. “Este não é um problema apenas do Exército. É um problema nacional”.

Rejeição

O excesso de peso é a razão principal da rejeição de possíveis recrutas pelo Exército. E, embora isso aconteça há anos, o problema se agravou conforme as cinturas dos jovens americanos se expandiram.

The New York Times
Para combater a obesidade e falta de agilidade, Exército lançou um novo programa de treinamento
Este ano, um grupo de generais e almirantes aposentados divulgou um relatório intitulado “Gordos Demais Para o Combate”. Embora o Exército exclua os obesos e impróprios, o órgão ainda tem descoberto que muitos dos recrutas que chegam para a formação básica têm menos força e resistência do que no passado.

Este é o legado da alimentação precária e vídeo games, agravado por uma redução nas aulas de ginástica em muitas escolas do ensino médio. O truque agora será empurrar o programa para o resto das Forças Armadas, onde a evidência sugere que muitos soldados estão acima do peso, especialmente durante ou logo após seu destacamento.

O Comando de Treinamento e Doutrina do Exército distribuiu recentemente a nova política de aptidão física para todo o Exército, substituindo oficialmente um manual de aptidão física que foi publicado pela primeira vez em 1992.

A rotina de exercícios de cada unidade é determinada pelo seu comandante e a geração atual de oficiais foi doutrinada sob o sistema antigo.

A chave, segundo Palkoska Frank, um dos dois homens que desenvolveram o esquema e coordenam a Escola de Preparo Físico do Exército, será renovar o teste de boa forma dos militares, que é feito duas vezes por ano. Ele mede a capacidade de um soldado de fazer abdominais, flexões e uma corrida de duas milhas. Uma vez que os soldados muitas vezes treinam para o teste, esses são os exercícios com os quais estão habituados.

“Nós sabemos que os jovens de hoje são menos aptos”, disse Palkoska. “Temos de nos ajustar”.

*Por James Dao

    Leia tudo sobre: exércitoeuaexercíciospreparoforte jacksonpilates

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG