Preço do petróleo resiste à tendência mundial de recessão

Nos últimos meses, o preço do petróleo despencou conforme os consumidores diminuíram os gastos com combustíveis em todo o mundo, com alguns analistas prevendo que a situação econômica faria com que o preço do barril caísse para US$ 20 ou menos.

The New York Times |

Mas revertendo as previsões, o preço do petróleo se estabeleceu em cerca de US$ 50 o barril. Ainda que os preços tenham caído dois terços desde o auge do verão passado, o petróleo continua caro em comparação aos padrões históricos.

A resistência mostrada pelos mercados petrolíferos não se deve à qualquer melhoria na economia mundial ou queda no consumo. A demanda global permanece em curso para a pior queda desde o começo dos anos 1980 e os inventários de petróleo estão em seu nível mais alto em 19 anos.

Ao invés disso, segundo os analistas, o petróleo voltou a ser procurado por investidores como refúgio da queda do dólar e alta da inflação. A estabilização do preço do petróleo também é uma vitória para a Opep, que conseguiu cortar seus rendimentos para equiparar a baixa demanda.

Depois de ajudar a elevar o preço a valores recordes no verão passado, os investidores abandonaram os mercados petrolíferos diante da crise financeira, em uma corrida por dinheiro. O petróleo, que chegou a seu nível mais alto acima de US$ 140 o barril em julho passado, caiu para US$ 33 o barril em dezembro.

Leia mais sobre petróleo

    Leia tudo sobre: petroleo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG