Políticos novatos se preparam para assumir Washington

Nova classe de legisladores dos EUA terá maior número de membros sem experiência em cargos eletivos desde 1948

The New York Times |

Bobby Schilling passou os últimos dez anos aperfeiçoando sua massa de pizza. (O segredo? Uma pitada de farinha de trigo integral na massa.) Mas, este ano, como dezenas de outros americanos antes apolíticos, o alegre pai de dez filhos observou os candidatos a deputado federal e começou a pensar: "Ei, por que não eu?"

Concorrendo como um republicano com pouco dinheiro em um distrito controlado pelos democratas há décadas, Schilling foi inicialmente recebido tão calorosamente quanto um percevejo. "O pessoal do partido em Washington pensava: ‘Que diabos você está fazendo aqui?’”, disse.

The New York Times
Bobby Schilling (centro), republicano eleito para deputado federal por Illinois, é visto em sua pizzaria em Moline
Mas sua perseverança se entrelaçou com o desencanto e agora Schilling, dono de uma pizzaria, está entre os cerca de 35 novos membros da Câmara – e quatro novos senadores – que nunca foram eleitos para nada antes. "Sou uma história que nunca deveria ter acontecido", disse Schilling, 46, que logo representará uma fatia enorme do oeste de Illinois.

A nova classe de legisladores conterá o maior número de membros sem qualquer experiência em cargos eletivos nas últimas décadas, provavelmente desde 1948, quando havia 44 membros eleitos como House, de acordo com Gary C. Jacobson, professor de ciência política da Universidade da Califórnia, San Diego, e provavelmente mais do que em 1952, quando havia 34 membros desse tipo.

Em 1994, a última grande revolução cidadã liderada pelos republicanos, 30 políticos novatos foram eleitos membros da Câmara.

O movimento Tea Party, com sua mensagem de encorajar cidadãos-legisladores, o humor contrário aos políticos tradicionais e a enorme quantidade de substituições – pelo menos 60 cadeiras na Câmara mudarão de mãos quando o novo Congresso tomar posse em janeiro – combinaram-se para colocar no poder médicos, donos de pequenos negócios, dentistas, pilotos, reverendos e o dono de uma pizzaria popular, entre outros.

"Os americanos claramente cansaram de colocar os mesmos políticos em Washington e obter os mesmos resultados sempre", disse Paul Lindsay, porta-voz do Comitê Congressional Republicano. "Sua falta de experiência política foi e é o seu melhor trunfo."

Ainda não se sabe qual será o impacto da nova classe de políticos inexperientes sobre questões legislativas. E podem levar alguns anos antes de ficar claro se eles mudam Washington ou se Washinton os modifica – a história sugere que os novatos tendem a se render ao grupo de forma relativamente rápida e a esquecer as promessas feitas para eleger-se em favor do poder que vem com o tempo no cargo.

Mas é quase certo que eles têm um impacto imediato sobre o sabor e a dinâmica da bancada republicana, onde os líderes já estão medindo cuidadosamente os recém-chegados, que estão vindo para a cidade não simplesmente para servir, mas em muitos casos para reformular o que acreditam ser um grupo inepto.

"Esse grupo representará um verdadeiro desafio para os líderes", disse J. Norman Ornstein, especialista do conservador Instituto American Enterprise. "Muitos dos membros novatos acreditam no que viram na televisão, que você tem de fazer a coisa certa. E isso vai acontecer. E se isso não acontecer, tudo em torno deles irá abaixo. Para eles, aceitar a ideia de que é preciso saber calar será um desafio."

* Por Jennifer Steinhauer

    Leia tudo sobre: eleiçõeseuabarack obamarepublicanosdemocratas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG