Políticos americanos questionam falta de ajuda a donos de imóveis em pacote de resgate

WASHINGTON - A Casa Branca levou adiante na terça-feira uma campanha de múltiplas vertentes para persuadir o Congresso a aceitar seu pacote de resgate, apesar de muitos congressistas, ainda insatisfeitos com o que ouviam, continuarem a pedir mudanças que ofereçam maior proteção aos contribuintes e imponham termos mais duros às instituições financeiras.

The New York Times |

Acordo Ortográfico

O presidente Bush disse aos líderes mundiais que os Estados Unidos tomaram "atitudes ousadas" para lidar com a crise financeira, enquanto o vice-presidente Dick Cheney e outras autoridades de alto escalão foram ao Capitólio lidar com os legisladores.

O secretário do Tesouro, Henry M. Paulson Jr., e o presidente do Federal Reserve, Ben S. Bernanke, foram questionados durante cinco horas por membros céticos e irritados do Comitê Bancário do Senado.

Mas com apenas seis semanas para as eleições, o Congresso e o Executivo negociavam intensamente por trás dos panos para lidar com uma das principais falhas do plano e parte do drama cabia aos donos de imóveis.

Os republicanos do Congresso pareciam menos receptivos e no final do dia não chegaram a um acordo.

Em termos diretos, Bernanke alertou os senadores que, caso não aprovassem o plano de US$ 700 bilhões, poderiam causar uma recessão, aumentar o desemprego e o número de desapropriações imobiliárias.

"Este será um enorme problema para a economia dos Estados Unidos e impedirá que ela se recupere", disse Bernanke.

Os legisladores se opuseram a oferecer a ampla autoridade que Paulson solicitou, a falta de ajuda a donos de imóveis para evitar a desapropriação e a ausência de qualquer valor de propriedade sobre os bancos que seriam ajudados.

Mesmo Richard C. Shelby, do Alabama, principal republicano no comitê bancário e um dos principais críticos da proposta, disse que espera que o Congresso e a Casa Branca eventualmente cheguem a um acordo.

"Eu acho que o Congresso irá reagir positivamente no final", ele disse. "Mas como, isso eu ainda não sei".

A oradora da Casa, Nancy Pelosi, o líder da maioria no Senado, Harry Reid, de Nevada, e outros líderes democratas se encontraram na terça-feira à tarde para armar uma estratégia que levaria o projeto a ambas as câmaras esta semana.

Cheney liderou a delegação da Casa Branca, que incluiu o chefe de equipe, Joshua B. Bolten, e o diretor de orçamento, Jim Nussle, no encontro com republicanos da Casa na manhã de terça-feira. Mas a visita não aquietou as crescentes dúvidas.

"Eu sinto que a reunião não resolveu as questões de descontentamento", disse Mike Pence, republicano que se opõe ao plano. John A. Boehner, de Ohio, líder republicano, disse que parece haver pouco apetite para o pacote de resgate entre seu grupo.

Ainda assim, ele afirmou que uma ação é necessária e que permanece disposto a negociar.

Por MARK LANDLER e DAVID M. HERSZENHORN

Leia mais sobre crise financeira

    Leia tudo sobre: crisecrise financeira

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG