Política deixará de ser a mesma depois da disputa eleitoral de 2008

A disputa de 2008 pela Casa Branca, que chega ao fim nesta terça-feira, mudou drasticamente a forma como as campanhas presidenciais são realizadas nos Estados Unidos, um legado que quase se perdeu em meio à disputa entre John McCain e Barack Obama.

The New York Times |

As regras de como atingir os eleitores, arrecadar dinheiro, gerenciar as novas mídias, rastrear e moldar a opinião pública, além de realizar ataques políticos e se defender deles, até mesmo daqueles realizados por blogs que não existiam há quatro anos, foram modificadas. Isso mudou também a visão comumente aceita de um campo de batalha eleitoral preestabelecido, sugerindo que os democratas podem, no mínimo, disputar Estados e regiões que até então permaneciam fiéis ao partido republicano.

O tamanho e aparência do eleitorado pode ter mudado por causa dos esforços democratas em registrar e encorajar o voto de eleitores afro-americanos, hispânicos e jovens. Essa mudança irá repercutir por muito tempo na forma como os partidos constroem coalizões duradouras, especialmente se os programas tecnológicos de registração e comparecimento de eleitores derem certo.

"Eu acho que iremos analisar esta eleição por muitos anos como uma que foi definitivamente transformadora", disse Mark McKinnon, assessor das campanhas do presidente Bush em 2000 e 2004. "O ano em que as campanhas usaram a internet de forma nunca antes imaginada. O ano em que adotamos a velocidade da luz. O ano em que o paradigma foi revertido e realmente tudo passou a acontecer de baixo para cima e não de cima para baixo".

De certa forma, isso é resultado da forma como a campanha de Obama tentou entender e usar a internet (e outras formas das chamadas novas mídias) para organizar seus partidários e alcançar eleitores que já não se apoiam unicamente nas informações fornecidas pelos jornais e pela televisão. As plataformas usadas variaram do YouTube, que não existia em 2004, às mensagens de texto enviadas aos celulares que a campanha usou na segunda-feira, por exemplo, para lembrar os eleitores de votarem.

Ainda mais crucial para a forma como sua campanha transformou a política tem sido o sucesso com que Obama usou a internet para construir uma enorme rede de contribuidores que permitiu que ele gerasse dinheiro suficiente (depois de recusar o financiamento público) para ampliar seu mapa de ação e concorrer em Estados tradicionalmente republicanos.

    Leia tudo sobre: eleições nos eua

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG