Petraeus: Entregar segurança para afegãos é difícil, mas possível

Prestes a deixar o comando militar no Afeganistão e assumir a CIA, general americano destaca progressos no país

The New York Times |

Getty Images
Petraeus discursa no comitê de inteligência do Senado antes de confirmação sobre direção da CIA (23/6)
Há poucos dias do final de sua passagem pelo Afeganistão como comandante militar e do fim de uma carreira militar de 37 anos, o general David H. Petraeus disse que irá partir com a crença de que seu plano para virar a guerra e entregar a segurança para os afegãos pode ser alcançado.

"Será muito difícil, mas é possível", disse ele em sua última entrevista antes de sua partida prevista para este mês.

Petraeus, que está deixando o cargo para aceitar um emprego civil, como diretor da CIA (agência central de inteligência americana), teve o comando no Afeganistão durante um ano crítico, conforme 80 mil soldados afegães e da coalizão ocidental foram acrescentados à luta contra o Taleban e a Al-Qaeda, levando à intensificação do combate e a números perdas muito mais altos.

Além disso, ele está saindo mais cedo do que o planejado, no meio da temporada de combates previstos para esta estação e antes que qualquer efeito duradouro do aumento das tropas esteja claro.

Mas, segundo o general, sinais de progresso já começam a aparecer.

Os ataques insurgentes diminuíram em maio e junho em comparação com os mesmos meses de 2010, e julho está mostrando a mesma tendência, disse. "Isso por si só significa que eles têm menos capacidade, pois foram de alguma forma degradados", disse sobre os insurgentes. "Esse é o primeiro indicador real – pela primeira vez desde 2006 – em comparação ao ano anterior, que revela que os números de ataques de insurgentes estão menores".

Ele alertou também que haverá combates nos próximos 15 meses, antes que 33 mil soldados sejam levados de volta para os Estados Unidos, de acordo com o cronograma anunciado pelo presidente Barack Obama em um discurso em 22 de junho.

Al-Qaeda

Petraeus disse concordar com os comentários feitos no fim de semana por Leon E. Panetta, ex-chefe da CIA e atual secretário de Defesa, de que a Al-Qaeda está perto de uma derrota estratégica.

Após um período difícil, disse Petraeus, como resultado do ataque contra Osama bin Laden, em maio, a cooperação com o Paquistão foi retomada para lidar com grupos militantes na fronteira afegã-paquistanesa, como a temida rede Haqqani.

"Eu acho que eles reconhecem os problemas causados pela rede Haqqani", disse sobre os militares paquistaneses. "Mas isso não significa que há unidade de pensamento sobre o que fazer com eles, porque eles continuam sendo um enorme desafio".

*Por Carlotta Gall

    Leia tudo sobre: Petraeusafeganistãoeuaguerrataleban

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG