Perucas se tornam acessórios de grife para mulheres em Manhattan

Criações personalizadas de designers ganham fama entre clientes com falta de cabelo, ortodoxas ou mesmo celebridades

The New York Times |

Não se tratava de uma liquidação comum. Um grupo de mulheres se dirigiu a um salão de beleza no bairro de Flatiron, em Manhattan. Todas muito bem penteadas, elas não estavam à procura de produtos de grife. Essas mulheres vieram em busca de algo mais pessoal: perucas.

Não se tratavam, no entanto, de perucas comuns e sim criações personalizadas de Hadiiya Barbel, uma fabricante e estilista de perucas para as celebridades. Ao caminhar pelo salão em um macacão preto e sapatos com estampa de oncinha, Barbel deixou bem claro que preferia que suas clientes não chamassem suas criações de perucas.

NYT
Hadiiya Babel em seu salão em Manhattan, Nova York
"Eu não as chamo de perucas, eu as chamo de coroas", declarou. "Uma peruca é algo que você tira de um saco plástico e coloca em sua cabeça. É comum. Não tem personalidade. A coroa é um acessório totalmente diferente."

Em seus 16 anos de profissão, Barbel, 33 anos, estabeleceu-se como uma das principais designers de “coroas”. Ela já trabalhou com modelos famosas como Iman, atrizes como Angela Bassett e uma série de artistas da música como Ashanti e Mya. Kim Zolciak, a integrante do programa de televisão The Real Housewives of Atlanta é uma de suas grandes fãs. E Star Jones cita Barbel por sua contribuição ao criar seu visual para o programa Celebrity Apprentice, da emissora NBC.

Além da vaidade

Embora a maioria de suas clientes seja motivada pela vaidade, para outras vai muito além. Existem razões religiosas (ela conta que tem muitas clientes judias ortodoxas, que usam perucas para cobrir o cabelo que deve ser visto apenas por seus maridos), enquanto outras citam a saúde (incluindo aquelas que fazem tratamento de quimioterapia e portadoras de alopecia). Outras ainda buscam a cura para um coração partido.

Por presenciar as mulheres em seu estado mais vulnerável, Barbel, uma pessoa amigável e focada, disse que não trabalha se não estiver se sentindo "centrada".

"A cabeça é um lugar sagrado e as mãos que tocam seu cabelo têm que transmitir uma energia positiva", disse ela. "Se eu não estou me sentindo bem, não venho trabalhar. Eu não quero que a minha energia negativa seja transferida para minhas clientes."

Embora texturas e extensões de cabelo estejam cada vez mais na moda, Barbel reconhece que ainda existe um certo preconceito contra as perucas.

"A primeira coisa que vem à mente das pessoas é um grampo preso aos cabelos de alguém ou alguém dirigindo um conversível e seu cabelo voando", disse ela, rindo. "Mas as meninas do grupo Supremes usavam perucas, Cher usava perucas, os egípcios usavam perucas em práticas cerimoniais, e para eles isso não era uma piada."

Trajetória

Nascida e criada no Bronx, Barbel disse que foi uma "criança alta e desengonçada." Ela é cega de seu olho direito e usava óculos grossos que chamavam a atenção e levaram crianças da vizinhança a apelidarem-na de "bifocal".

"Eu ainda sinto a dor dessa zombação," disse ela calmamente. "Foi muito traumatizante. Acho que isso faz parte do motivo pela qual eu estou tentando fazer com que as pessoas se sintam bem consigo mesmas, pois eu tive tão pouca autoestima durante minha vida."

Ela trocou seus óculos por lentes de contato quando era estudante na Escola Superior de Moda, no bairro de Chelsea, e floresceu. Vestindo roupas do estilo "quanto mais coloridas melhor" e mudando constantemente de penteados.

Ela tinha 17 anos quando conseguiu seu primeiro emprego em um salão de belezas no Harlem onde trabalhou apenas uma semana. "O proprietário estava traindo sua esposa, e quando ela me perguntou o que estava acontecendo, eu lhe disse a verdade", contou.

Jamaica: Disfarces podem ter ajudado traficante a evitar prisão

Ela então trabalhou em outros salões no Soho, no West Village e no Brooklyn. Seu trabalho se tornou bastante popular e fez com que ela conseguisse editoriais para revistas de moda como a Essence.

Ela acabou se especializando em perucas quando uma de suas clientes, uma aspirante a atriz, precisou mudar constantemente o seu visual para audições. Seu negócio acabou dando certo.

Rapper

A mais recente celebridade a usar as criações de Barbel foi a cantora de rap Eve, que procurou seus serviços para tentar adotar "um visual boêmio moderno, que é um dos meus visuais prediletos pois sinto que essa é a minha praia", disse.

Ela também está em negociações para iniciar uma linha de alongamento capilar com Kim Zolciak, está escrevendo um livro sobre a evolução da peruca e trabalhando em uma linha de perucas com preços mais populares. Seu sonho é levar suas "coroas" para as massas.

"Assim como Versace fez uma parceria com a loja H&M, quero fazer a mesma coisa com as minhas coroas", disse.

*Por Lola Ogunnaike

    Leia tudo sobre: perucasalão de belezanova yorkmanhattan

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG