Pequenos corpos em um necrotério: uma tristeza inacreditável na China

JUYUAN, China ¿ Os corpos estão por toda parte. Alguns se encontram dentro de sacos de vinil branco ou espalhados pelo chão. Outros foram cobertos com cobertores ou vestidos com roupas novas. Há tantos corpos que alguns coveiros querem cremá-los em grupos. Todos eles são de crianças.

The New York Times |

Nossa tristeza é incomparável, disse Li Ping, de 39 anos, com os olhos avermelhados, enquanto ele e sua mulher cuidadosamente vestiam o corpo nu e machucado de sua filha Ke, de 8 anos, com um pijama rosa. Nos casamos tarde, e tivemos um filho tarde. Ela era nossa única filha.


Criança sobrevive ao tremor que destruiu sua escola em Sichuan (Foto: AFP)

O terremoto que abalou a província de Sichuan na última segunda-feira pode ter matado até agora 50 mil pessoas. Outras milhares continuam desaparecidas ou soterradas nos escombros. Mais terrível ainda são os necrotérios, uma lembrança triste de que a maioria das mortes foi de crianças, em um país onde grande parte das famílias só tem permissão para ter um único filho.

Essas crianças simbolizam claramente a crueldade indiscriminada do terremoto. No entanto, tal brutalidade, sob a ótica dos pais, não foi somente culpa da natureza, e sim da humanidade. Várias escolas nas proximidades de Dujiangyan desmoronaram no meio das aulas. Na quinta-feira, o primeiro-ministro, Wen Jiabao, visitou duas delas, incluindo a escola primária de Xinjian, onde 20 crianças morreram, segundo autoridades.

Eu sou o avô Wen Jiabao, afirmou o premiê enquanto observada o resgate de duas crianças, segundo a agência de notícias Xinhua. Segurem firme crianças, vocês irão ser resgatadas.

Mas alguns pais irritados entrevistados no necrotério na última quarta-feira e quinta disseram que oficiais locais mentiram ao primeiro-ministro a fim de esconder o real balanço de mortos em Xinjan, onde se estima que mais de 400 crianças perderam suas vidas. Vários pais acusaram os membros de resgate de lentidão nas buscas iniciais, além de questionarem as construções frágeis de algumas escolas.

Eles também estavam furiosos com a proibição de autoridades de procurar os filhos e só permitirem o acesso aos corpos após a formação de um comitê de reclamação. Antes da chegada de Wen Jiabao, toda a escola estava lotada de corpos de crianças, disse uma mãe que permanecia sentada ao lado de fora do necrotério com seu marido durante a madrugada, ao lado do corpo de sua filha de oito anos. O pai dela e eu ficamos do lado de fora da escola desde o terremoto. Nós imploramos ao governo, se ela estiver morta, queremos ver o corpo. Se estiver viva, queremos vê-la.

O marido, um homem fraco, se inclinou para frente, sob as luzes amarelas de duas velas. Estamos dizendo a verdade, ele disse. Conte a verdade para todos.

-Jim Yardley

Veja também:

Leia mais sobre: terremoto  - China

    Leia tudo sobre: china

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG