Passageiros relatam aterrissagem no Hudson

Bill Zuhoski havia se acomodado na poltrona 23A do voo 1549 da US Airways que decolou do Aeroporto de La Guardia e começava a alçar altitude sobre o Rio East. Em algum lugar do Bronx, o avião sacudiu, mas Zuhoski imaginou que não passava de uma turbulência.

The New York Times |

Então uma comissária de bordo pediu um extintor de incêndio, dizendo que havia fogo a bordo. Logo em seguida o piloto pediu que os passageiros se preparassem e Zuhoski deu o braço ao passageiro da poltrona 23B.

Um pensamento passou por sua mente: "Como se preparar para um impacto quando se sabe que seu avião irá cair?"

Outros passageiros do voo 1549 (que deveria ter feito uma viagem de 2 horas e 13 minutos até Charlotte, Carolina do Norte) ouviram algo parecido com uma explosão. Elizabeth McHugh, gerente de projetos de uma companhia que instala equipamentos informatizados em hospitais, o chamou de "big bang". Karin Hill, uma estudante universitária a caminho de Denver, disse que foi um "barulho muito alto".


Passageiros aguardavam o resgate  / AP

Na fileira da frente de Zuhoski, Jeff Kolodjay de Norwalk, Connecticut, viu as chamas saindo da turbina esquerda. Eles estavam 975m acima do Bronx.

Na poltrona 16A, outro passageiro, Fred Baretta, viu a mesma assustadora cena. John Howell, passageiro de Charlotte, pensou entender: "Nós atingimos uma revoada de pássaros, uma enorme revoada de pássaros", ele disse

O que veio em seguida foi ainda mais assustador. "O silêncio tomou conta do avião", disse Baretta à CNN. As turbinas haviam morrido, e o avião agora pairava sobre uma das áreas mais povoadas do país.
"A questão era, quão perto dos prédios nós estávamos?", disse McHugh.

Manobra

Mas a equipe de bordo ainda iria voar. Outro passageiro, Alberto Panero, disse que o avião começou a virar.

"Eu pensei, 'Bom, estamos voltando para o aeroporto'", ele disse à WABC-TV. "A próxima coisa que ouvimos foi 'Preparem-se para o impacto' e foi então que percebi que iríamos cair. Alguns sentiram cheiro de fumaça. Outros o assustador odor de gasolina. E Zuhoski pensou para onde o avião estava indo: "Nós não sabíamos se iríamos cair na água ou em terra", ele disse

Ele contou que houve um grande impacto quando o avião pousou no rio (seus óculos caíram). Mas Hill, a estudante universitária, disse que até que a água começasse a entrar, ela não havia percebido que estavam no rio. "Senti como se estivéssemos aterrissando no aeroporto", ela disse.

Muitos passageiros correram para a parte traseira, pensando que as saídas de emergência se encontravam lá, disse Zuhoski, mas aquela parte da fuselagem parecia afundar e a água estava entrando rapidamente. "A água chegou quase ao meu pescoço e eu pensei que iria me afogar ali mesmo".

Ele tirou as roupas, achando que seria mais fácil para nadar. Quando a multidão diminuiu, ele caminhou por cima das poltronas e saiu. Ele disse acreditar que tenha sido um dos últimos a deixar a aeronave e nadou até um bote que flutuava sobre o rio Hudson.

Todos os outros no bote tinham suas roupas e estavam secos. Eles tiraram algumas peças para ajudá-lo a se cobrir. Logo, todos saíram do avião e foram levados à segurança (alguns para Manhattan, outros para Nova Jersey, todos aliviados, recontando a experiência). 

Sheikh Ali esperava no Aeroporto Internacional Charlotte-Douglas por Matt Kane, um colega de trabalho a bordo do voo 1549, e não sabia o motivo do atraso. 

Então ali enviou um email para de seu BlackBerry: "Onde está você?" 
A resposta de Kane, contendo cinco palavras, contou toda a história: "Eu aterrissei no Hudson." 

Por JAMES BARRON

Assista à reportagem sobre o acidente (em inglês):



Mapa aponta o aeroporto de La Guardia e o local da queda do avião


Exibir mapa ampliado

    Leia tudo sobre: acidente

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG