Papa Bento 16 prepara viagem à África

VATICANO - Quando o Papa Bento 16 embarcar em sua primeira viagem à África como sumo-pontífice na terça-feira, a caminho de Camarões e Angola, ele se preparará para visitar o futuro da igreja e não o seu presente.

The New York Times |

AP
Bento 16 vai visitar a África pela primeira vez como papa
Papa vai visitar a África pela primeira vez

Com uma das maiores populações católicas do mundo, estimada em mais de 158 milhões, a África é o continente no qual a igreja é mais forte (em termos de número de devotos e vitalidade de sua devoção) e mais fraca, inevitavelmente atingida pela pobreza, corrupção, conflitos e doenças que vitimam a maioria da sociedade.

Bento 16 deve poder ver ambas realidades durante sua visita, que dará início a um ano de atenção à África, culminando em outubro, quando os bispos do mundo se encontrarão para seu concílio de um mês em Roma. Este ano o tema será: "A Igreja na África à Serviço da Reconciliação, Justiça e Paz".

Na primeira parada de sua viagem de seis dias, em Camarões, Bento 16 deve apresentar o documento de trabalho do concílio, que foi solicitado pelo Papa João Paulo 2º antes de sua morte em 2005.

O documento deve mencionar o papel da igreja em promover a democracia e a justiça social, bem como a aceitação "cultural", ou a busca por um equilíbrio entre os dogmas estabelecidos por Roma e as variedades das práticas locais, a saúde e as tensões na África entre católicos, muçulmanos e a população cada vez maior de pentecostais do continente.

Há muito em jogo. Até 2025, um sexto dos católicos do mundo, ou cerca de 230 milhões, devem vir da África. O maior seminário do mundo fica na Nigéria, que faz fronteira com Camarões e, no total, a África produz a maior percentagem de padres. O Papa João 23 indicou o primeiro cardeal africano em 1960. Hoje 16 vêm do continente, do total de 192.

Em seus mais de 25 anos como papa, João Paulo 2º fez 16 viagens à África, passando por 42 países. De muitas formas, a África poderia parecer uma prioridade improvável para Bento 16, que em seus quatro anos como sumo-pontífice pareceu profundamente preocupado em fortalecer a igreja na Europa, onde seu status diminui cada vez mais.

Em comparação com a Europa e os Estados Unidos, as igrejas africanas tendem a assumir uma linha mais tradicional em questões como o homossexualismo e a família. No entanto a situação é complexa. Muitos prelados africanos precisam estabelecer suas próprias regras sobre como equilibrar o catolicismo com a cura pela fé e o sacrifício de animais praticados por muitos fieis.

Por RACHEL DONADIO

Leia mais sobre Bento 16

    Leia tudo sobre: papa

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG