Palin planeja visitar as Nações Unidas e protestar contra o Irã

WASHINGTON ¿ A governadora do Alasca deve comparecer a encontros nas Nações Unidas na próxima semana, disseram na quarta-feira funcionários da campanha presidencial do senador John McCain. A assessoria da campanha foi vaga sobre quais autoridades estrangeiras irão se encontrar com Palin, assim como o horário e o local desses encontros.

The New York Times |

Acordo Ortográfico

Mas a campanha disse que Palin, candidata republicana à vice-presidência dos EUA, poderá comparecer a um protesto da cidade de Nova York contra o Irã, do lado de fora das Nações Unidas, na segunda-feira. A presença de Palin levou a senadora Hillary Clinton, de Nova York, a cancelar sua presença no mesmo protesto.

A presença dela foi novidade, e isso nunca nos pareceu ser um evento de partidarismo político, disse na quarta-feira um porta-voz de Hillary, Philippe Reines. Então, a senadora Hillary Clinton não participará do evento.

Um porta-voz da campanha republicana rapidamente respondeu que o protesto não deveria ser visto como um evento partidário. A governadora Palin acredita que o perigo do programa nuclear do Irã é maior que partidos políticos, disse o porta-voz Tracey Schmitt. Ela espera que todos os partidos possam protestar juntos em oposição a essa grave ameaça.

Além do protesto, os planos de Palin nas Nações Unidas visam aumentar suas credenciais em política externa. Palin, que é governadora do Alasca por menos de dois anos, tirou seu primeiro passaporte no ano passado.

Uma autoridade do Departamento de Estado disse na quarta-feira que não recebeu nenhum pedido de auxílio para algum encontro, o que acontece normalmente quando algum governador ou membro do Congresso se encontra com alguma autoridade estrangeira. Um funcionário da Casa Branca disse que não estava ciente se Palin ou McCain estarão presentes no discurso que o presidente Bush fará na quinta-feira, dia da abertura da Assembléia Geral das Nações Unidas.

"Eu estarei preparada"

Em Grand Rapids, Michigan, quando foi exposta a perguntas dos eleitores pela primeira vez desde que entrou para a chapa de McCain, Palin foi questionada sobre sua perceptível falta de experiência em política externa. Ela convidou as pessoas a desafiá-la.

No quesito política externa eu acho que estou preparada, disse. E eu sei que no dia 20 de janeiro, se formos abençoados e eleitos presidente e vice-presidente dos EUA, certamente nós estaremos preparados. Eu estarei preparada. Eu tenho essa confiança. Eu tenho essa prontidão. E se você quer especificações sobre políticas ou países, vá em frente e me pergunte. Você pode até me desafiar, se você quiser.  Mas nós estamos prontos para servir.  

Mas antes que alguém aceitasse a proposta dela, McCain se adiantou para exaltar as qualificações de Palin, dizendo que ela entende de questões energéticas, liderou as negociações sobre a nova rede de distribuição de gás, e, enquanto governadora do Alasca, foi comandante da Guarda Nacional do Estado. Então, eu acredito que ela entende nossos desafios na área de segurança nacional, disse.

O protesto na segunda-feira será organizado por diversas organizações judaicas americanas como um ato contra o presidente iraniano Mahmmoud Ahmadinejad. Hillary Clinton, que lutou pela indicação democrata e agora apoia o senador Barack Obama, de Illinois, foi uma dos muitas autoridades de Nova York que planejavam discursar no evento.

A campanha republicana está agressivamente cortejando o voto feminino e outros grupos que apoiavam a senadora Hillary Clinton nas primárias. Clinton, enquanto pede que seus apoiadores votem em Obama para presidente, tem cuidadosamente evitado um possível confronto com Palin. 

Por ELISABETH BUMILLER and PATRICK HEALY

Leia mais sobre eleições nos EUA

    Leia tudo sobre: eleições nos eua

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG