Obama revoluciona campanha presidencial ao apostar em redes de relacionamento

Em novembro, Mark Penn, então principal estrategista de Hillary Rodham Clinton, disse que os partidários de Barack Obama parecem com o Facebook. Chris Hughes aceita isso como um elogio.

The New York Times |

Hughes, 24, foi um dos fundadores do Facebook. No início de 2007, ele deixou a companhia para trabalhar em Chicago na campanha de Obama em novas mídias.

A estratégia de novas mídias da campanha, inspirada em redes de relacionamentos populares como MySpace e Facebook, revolucionou o uso da internet como ferramente política, ajudando o candidato a arrecadar mais de 2 milhões em doações de menos de US$200 cada e mobilizando centenas de partidários antes de diversas primárias.

O centro disso tudo é o site My.BarackObama.com , onde os eleitores pode se unir a grupos locais, criar eventos, assinar boletins de informações e criar uma página pessoal.

"Se não tivéssemos ferramentas de organização online, seria muito mais difícil de chegarmos onde estamos", disse Hughes.

Obama, o candidato democrata à presidência, credita as ferramentas de relacionamento na internet uma "grande parte" de seu sucesso nas primárias.

"Uma de minhas principais crenças de meus dias de organizador comunitário é que a mudança real acontece de baixo para cima", disse Obama em uma declaração. "E não há ferramenta mais poderosa para a organização do que a internet".

Agora Hughes e outros assistentes de campanha aplicam as mesmas ferramentas de relacionamento para tentar ganhar as eleições gerais. No entanto, dessa vez eles precisam alcançar mais do que sua base de usuários jovens e amantes da rede.

Em abril o time de novas mídias de Obama já se preparava para as eleições planejando uma extensão de suas tecnologias de ligações online.

Em maio, para manter os voluntários ocupados durante as primárias, a campanha deu início ao registro de eleitores em todo o país.

Em junho, depois que Clinton se retirou da disputa, os milhões de pessoas nas listas de emails da campanha de Obama foram convidados a converter os eleitores da pré-candidata, bem como os indecisos, ao realizar festas locais intituladas "União pela Mudança" em todo o país. Quase 4,000 foram realizadas.

A bem-sucedida estratégia de novas mídias da campanha de Obama já é estudada como guia por outros candidatos, inclusive o senador John McCain, indicado republicano à disputa de novembro.

"Seu uso de redes de relacionamento irá guiar as campanhas do futuro", disse Peter Daou, diretor de internet de Clinton. Daou afirmou que o alcance online de Obama é "incrível".

Por BRIAN STELTER

Leia mais sobre: eleições nos EUA

    Leia tudo sobre: eleições nos eua

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG