Obama recarrega as energias no Havaí

KAILUA, Havaí - Mesmo no final de sua longa jornada pela conquista da Casa Branca, uma pergunta sobre Barack Obama ressurgiu incansáveis vezes. Como ele conseguia parecer tão calmo e equilibrado ao percorrer um caminho tão atribulado?

The New York Times |

Pelo menos parte da resposta pode ser encontrada na ilha de Oahu.

Ao caminhar pelas praias em suas férias, voltando ao lugar onde nasceu e passou sua adolescência, Obama relaxa depois do ano mais desafiador de sua vida e recarrega as energias para as responsabilidades que o aguardam. Em ambos os casos, segundo os amigos, ele o faz com uma firmeza que advém de sua criação havaiana.

Para muitos observadores no Havaí, o humor de Obama incorpora o espírito Aloha, um estado mental pacífico e uma atitude amigável de aceitação de uma variedade de ideias e culturas. Mais do que uma simples energia relaxada, muitos havaianos acreditam em um poder divino espiritual que sustenta a energia vital.

"Quando Obama aparece na televisão, o coração nacional acalma", disse o representante Neil Abercrombie, democrata do Havaí, que era amigo íntimo dos pais do presidente eleito. "Ele tem um efeito calmante que na minha opinião vem do Havaí".

"Ele oferece um pequeno oásis de calma", disse Abercrombie. "Ele é águas tranquilas no meio de uma tempestade e isso virá no momento certo nas circunstâncias da crise atual".

No começo do ano, muitos admiradores disseram que Obama era muito passivo diante da agressividade de sua rival, a senadora Hillary Rodham Clinton. Depois, alguns democratas temiam que ele não teria a tenacidade necessária para combater o senador John McCain e os republicanos.

Durnate a disputa presidencial, Obama foi repetidas vezes questionado sobre ter estomago para vencer. Sua resposta padrão? Ele aprendeu como (e quando) usar seus cotovelos para navegar o problemático terreno político de Chicago.

O que não foi dito é que ele aprendeu isso no Havaí.

"Ele tem mais do Havaí em si do que de Chicago. Ele é calmo, controlado e tranquilo", disse Neil Kent, professor de estudo étnicos da Universidade do Havaí. "É difícil expressar raiva aqui. Vivemos em um ambiente muito pequeno e cercado no qual é preciso aprender a conviver com os outros".

Obama pretende ficar aqui até o dia 1º de janeiro, recarregando sua energia Aloha.

Por JEFF ZELENY

Leia mais sobre Obama

    Leia tudo sobre: obama

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG