Obama impulsiona mudança de opinião sobre EUA, diz pesquisa

WASHINGTON - Uma nova pesquisa mundial descobriu uma ampla melhora na opinião sobre os Estados Unidos desde a eleição do presidente Barack Obama. Mas também revelou grande oposição a uma de suas principais políticas (o envio de mais tropas ao Afeganistão) e confirmou uma queda na confiança nos Estados Unidos entre israelenses.

New York Times |

Obama, de acordo com a pesquisa do Projeto de Atitudes Globais Pew, desfruta maior confiança entre os alemães do que a Chanceler Angela Merkel, e entre os franceses do que o presidente Nicolas Sarkozy. A eleição dele por si mesma, segundo a pesquisa, ajudou a restabelecer a imagem dos Estados Unidos no exterior a níveis que não eram vistos desde a era Clinton.

A melhora de opinião em relação aos Estados Unidos é mais marcante na Europa Ocidental, mas também evidente na Ásia, África e América Latina e inclui alguns países predominantemente muçulmanos.

Mas a pesquisa, envolvendo mais de 26,000 pessoas em 24 países, mais os territórios palestinos, descobriu que a animosidade antiamericana permanece alta em lugares como Paquistão e Turquia, e entre os palestinos.

Os europeus, em particular, parecem estar respondendo positivamente a Obama. O número de britânicos que dizem confiar no presidente americano para fazer a "coisa certa" nos assuntos mundiais subiu para 86% este ano, em comparação a apenas 16% no ano passado, sob gestão de George W. Bush. O aumento é ainda maior na Alemanha e França.

Os números em relação à "coisa certa" também subiram em todos os países do Oriente Médio pesquisados, menos Israel, que não teve nenhuma mudança estatística.

O discurso feito por Obama no dia 4 de Junho no Cairo deu a ele um aumento estatístico insignificante entre palestinos. Mas a  confiança israelense em Obama em fazer a coisa certa deslizou de 60% para 49% depois disso. Os israelenses foram o único povo pesquisado a dar índices de opinião menores sobre os Estados Unidos do que em análises anteriores.

O anúncio do fechamento de Guantánamo e o estabelecimento de um prazo de retirada das tropas do Iraque foram as únicas políticas que tiveram maior apoio, segundo a pesquisa. O envio de mais tropas ao Afeganistão foi a única política à qual a maioria dos países se opõe.

A pesquisa, realizada entre o final de maio e meados de junho, tem margem de erro nacional de dois a quatro pontos percentuais, para mais ou para menos.

    Leia tudo sobre: barack obama

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG