Obama e Hillary ressaltam diplomacia ao indicar emissários

WASHINGTON - Dando sinais de sua determinação em usar a diplomacia para lidar com os conflitos mais difíceis do mundo, o presidente Barack Obama foi ao Departamento de Estado na quinta-feira para instaurar os emissários de alto escalão que irão lidar com a questão árabe-israelense, além do Paquistão e Afeganistão.

The New York Times |

Obama usou um tom compreensivo em relação aos palestinos da Faixa de Gaza, que segundo ele estão sofrendo muito depois da ofensiva militar israelense contra o Hamas. Mas ele não deu sinais de uma grande mudança na política americana em relação à questão Israel-Palestina.

Ainda que as afirmações de Obama sobre o Oriente Médio não tenham sido inovadoras, sua referência às dificuldades palestinas sugerem que sua gestão possa tentar adotar um tom mais igualitário.

Obama e a secretária de Estado Hillary Rodham Clinton apresentaram juntos os emissários, George J. Mitchell, que será o enviado especial para questão árabes-israelenses, e Richard C. Holbrooke, que será representante especial e responsável pelo Afeganistão e Paquistão.

Mitchell, ex-líder da maioria no Senado, ajudou a negociar o acordo de paz na Irlanda do Norte. Holbrooke, diplomata de longa data que foi embaixador americano nas Nações Unidas, teve papel central na criação do acordo de paz Dayton em 1995 que acabou com a guerra em Bósnia.

A indicação de diplomatas de peso pode ser um desafio para Clinton conforme ela tenta ser a principal diplomata do país.

Tanto Mitchell quanto Holbrooke responderão diretamente à Clinton, e através dela, a Obama, de acordo com o porta-voz do Departamento de Estado.

Como enviado especial, afirmou o porta-voz, Mitchell terá um papel mais tradicional, mantido no Departamento de Estado. Como representante especial, explicaram oficiais da gestão, Holbrooke terá liberdade para circular (e representar Obama, o Conselho de Segurança Doméstica e até mesmo o Pentágono).

Obama e Biden visitaram o Departamento de Estado horas depois da chegada de Clinton para seu primeiro dia de trabalho no local. Ela foi recebida como uma heroína pelos mais de mil funcionários do departamento, que gritaram e aplaudiram como se ainda estivessem em um comício de campanha.

"Eu farei tudo o que puder, trabalhando com vocês, para deixar bem claro que uma diplomacia robusta e um desenvolvimento efetivo são as melhores ferramentas para garantir o futuro da América", disse Clinton.

Obama deixou claro o mesmo ponto em seu discurso a diplomatas de médio e alto escalão na ornada sala Benjamin Franklin.

Por MARK LANDLER

Leia também:


Leia mais sobre Barack Obama

    Leia tudo sobre: obama

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG