Obama é criticado por tempo dedicado à campanha eleitoral

Alta participação em eventos de arrecadação de verbas dificultam separação entre o presidente e o candidato

The New York Times |

A última sexta-feira marcou mais uma etapa na metamorfose do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, em um candidato : ele realizou sua primeira viagem de um dia dedicada exclusivamente à captação de recursos. Ele sorriu e apertou mãos em cinco eventos de campanha em Chicago e Atlanta , onde o ator e produtor Tyler Perry recebeu Obama em sua casa e estúdio de televisão.

A campanha em busca de verbas, que durou 13 horas, arrecadou pelo menos US$ 5,25 milhões para a campanha de reeleição do presidente - US$ 5,5 milhões se contarmos um evento realizado em Minneapolis por Michelle Obama.

Leia também: Obama arrecada US$ 45 milhões para campanha em fevereiro

NYT
Obama discursa para estudantes em Largo, Maryland (15/03)

O modo como presidentes usam seu tempo inevitavelmente se torna alvo de escrutínio e crítica, especialmente durante uma campanha eleitoral. A Casa Branca insistiu nesta semana que Obama ainda gasta "a maior parte de seu tempo em suas funções oficiais". Mas conforme sua agenda fica cada vez mais lotada de eventos de captação de recursos e discursos que poderiam facilmente servir como comícios, está ficando cada vez mais difícil diferenciar os dois papéis.

Exceto por um telefonema que fez na sexta-feira para o presidente do Afeganistão, Hamid Karzai, pouco depois da meia-noite, o dia de Obama foi dominado por discursos como o que fez em um salão de hotel em Chicago, onde disse a uma multidão fiel que entende que "não é tão bacana estar envolvido na campanha de Obama como foi da primeira vez".

O presidente recitou uma lista de realizações que conseguiu no cargo e disse que tinha mantido sua promessa de "acordar todos os dias e lutar tanto quanto possível por todos vocês".

Na quinta-feira, em um discurso anunciado como oficial e não de campanha, Obama defendeu sua política energética, zombando do pré-candidato republicano Newt Gingrich, embora sem citar seu nome, por ridicularizar os investimentos em fontes alternativas de energia como as algas. A multidão recompensou-o com gritos de "Sim, nós podemos" e "Mais quatro anos!"

Mesmo eventos formais diplomáticos, como o jantar de Estado ao primeiro-ministro britânico, David Cameron , realizado na quarta-feira, assumiram um tom político. A Casa Branca convidou mais de duas dezenas de grandes contribuintes para se misturar com o primeiro-ministro e estrelas britânicas dos seriados "Downton Abbey" e "Homeland".

Obama participou de 108 eventos de captação de recursos desde que entregou os documentos de sua candidatura em abril de 2011 , o dobro da participação do ex-presidente George W. Bush (2001-2009) em um período semelhante em sua campanha de reeleição, de acordo com Mark Knoller, da CBS News.

Os republicanos não perderam tempo em ressaltar essa diferença e oferecer cálculos de quanto tempo presidencial esta quantidade de captação de recursos está absorvendo.

"Se você assumir que ele gasta duas horas por evento, o que é um cálculo conservador, temos um total de 200 horas, o equivalente a cinco semanas de trabalho", disse Sean Spicer, porta-voz do Comitê Nacional Republicano.

A campanha de Obama diz que o presidente está fazendo simplesmente o que é necessário para conter o rolo compressor de angariação de fundos montados pelos candidatos republicanos e seu exército de Super PACS (comitês de arrecadação formados por empresas e sindicatos).

Karl Rove, o estrategista republicano, escreveu no The Wall Street Journal na semana passada que a arrecadação da campanha de Obama rende uma média mensal de US$ 24 milhões e isso pode colocá-lo no caminho certo para conseguir sua meta de US$ 1 bilhão.

A cifra de US $ 1 bilhão, segundo a campanha de Obama só existe na mente de Rove, mas nunca foi um objetivo real. O porta-voz Ben LaBolt observou que Obama conseguiu 1,3 milhão de doadores até o final de 2011, com uma contribuição média de US$ 55. A campanha conseguiu doadores duas vezes mais rápido do que em 2008, LaBolt acrescentou.

Mas a Casa Branca é extremamente sensível às sugestões de que Obama não esteja trabalhando. No domingo, foi publicada uma foto sua ligando para Karzai de seu carro estacionado em frente a um centro de recreação em Chevy Chase, Maryland, onde sua filha Sasha estava jogando basquete.

"O presidente dos Estados Unidos é o presidente dos Estados Unidos 24 horas por dia, inclusive quando liga para líderes estrangeiros pela manhã e nos fins de semana", disse Carney.

Por Mark Landler

    Leia tudo sobre: obamaeuaeleição nos euademocratas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG